Saúde

Cantar de dia ajuda a não ressonar à noite

É a prova de que, realmente, "quem canta, seus males espanta". Afinal, cantar durante o dia pode ser a solução para quem ressona à noite. As conclusões são de um estudo britânico segundo o qual, "quem quiser uma boa noite de sono só tem de cantar".
Versão para impressão
É a prova de que, realmente, “quem canta, seus males espanta”. Afinal, cantar durante o dia pode ser a solução para quem ressona à noite. As conclusões são de um estudo britânico segundo o qual, “quem quiser uma boa noite de sono só tem de cantar por ela”.
 
Levado a cabo por uma equipa de investigadores da Universidade de Exeter e a de Royal Devon, em parceria com o Serviço Nacional de Saúde britânico, o estudo dá conta de que, certos exercícios de canto reduzem o ressonar durante a noite e ainda os problemas de apneia obstrutiva do sono.
 
O que acontece é que os exercícios de voz fortalecem os músculos da garganta. Regra geral, quem ressona tem os músculos desta região bastante enfraquecidos, pelo que este tipo de práticas ajudam a fortalecê-los, reduzindo a frequência e severidade do ressonar.
 
A investigação foi conduzida por Malcom Hilton, otorrinolaringologista, depois de este ter sido contactado por Alise Ojay, uma professora de canto que, para ajudar um amigo, lhe estabeleceu um programa de exercícios vocais. Os resultados da experiência foram positivos e Malcom quis comprovar os efeitos.
 
Foi então que deu início ao estudo que contou com 60 pacientes com problemas crónicos desta tipologia e outros 60 com apneia moderada do sono. Metade de cada um dos grupos praticou exercícios de voz diários, durante 3 meses, e a outra metade não sofreu qualquer tipo de intervenção nem adotou nenhum novo comportamento. No final, aqueles que tinham feito os exercícios registaram melhorias significativas a nível do ressonar e da qualidade do sono à noite.
 
“A conclusão a que chegamos é que o programa de três meses de exercícios de canto diários reduz a frequência e a severidade do ressonar, melhorando portanto a qualidade geral do sono”, refere o especialista. “Não tinha quaisquer expetativas, mas os resultados acabaram por se revelar muito interessantes”.
 
“Acabámos de abrir novos caminhos para um potencial tratamento, sem necessidade de cirurgia. São excelentes notícias para aqueles que ressonam à noite”, conclui Malcom Hilton, em comunicado.

O estudo foi agora publicado no International Journal of Otolaryngology and Head and Neck Surgery. Saiba mais AQUI.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close