Saúde

Cancro: Teste sanguíneo pode substituir biópsia pulmonar

Uma simples análise ao sangue pode ser suficiente para detetar o cancro do pulmão e definir o tratamento mais adequado para cada paciente, podendo vir a substituir procedimentos invasivos como as biópsias no diagnóstico de mutações específicas.
Versão para impressão
Uma simples análise ao sangue pode ser suficiente para detetar o cancro do pulmão e definir o tratamento mais adequado para cada paciente. A conclusão é de uma equipa de investigadores espanhóis, que acredita que os testes sanguíneos poderão vir a substituir procedimentos invasivos como as biópsias no diagnóstico de mutações específicas dos tumores pulmonares. 
 
Os cientistas do Instituto Catalão de Oncologia, em Espanha, coordenados por Rafael Rosell, analisaram o sangue periférico – isto é, o sangue que flui e circula pelo corpo – em 97 pacientes com mutações no gene EFGR, que estão, muitas vezes, associadas ao cancro do pulmão.
 
Sabendo que os pacientes com este tipo de mutações respondem bem a inibidores do gene EFGR como o erlotinib, o principal tratamento para estes casos, os investigadores procuraram entender se uma análise ao sangue muito específica – a biópsia líquida – poderia permitir a deteção destas mutações, dizendo, de imediato, aos médicos por que terapia deveriam optar.
 
De acordo com um comunicado divulgado pelo instituto, os resultados foram positivos em 78% dos pacientes. Tal significa que, nestes casos, os doentes poderiam ser poupados da biópsia convencional, sendo uma análise de sangue suficiente para saber se o tratamento com erlotinib seria ou não eficaz e para se iniciar a sua administração. 
 
Segundo os investigadores, “estas análises de sangue servirão não apenas para estabelecer as mutações iniciais observadas no tumor do paciente, bem como para avaliar a evolução da doença ao longo do tratamento e se o cancro desenvolve ou não resistência ao medicamento durante o processo”. 
 
O instituto catalão adianta que o estudo, publicado esta semana na revista científica JAMA Oncology, serviu, também, para confirmar que nem todas as mutações do gene EGFR oferecem o mesmo prognóstico, havendo mutações que são mais perigosas do que outras, “o que indica a necessidade de melhorar o tratamento dos portadores destas mutações”, alerta a equipa.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Notícia sugerida por António Resende

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close