Saúde

Cancro: Mamografias reduzem risco de morte em 40%

As mamografias regulares permitem reduzir em até 40% o risco de morte por cancro da mama em mulheres com idades entre os 50 e os 69 anos. A conclusão é de um novo estudo liderado por uma universidade britânica.
Versão para impressão
As mamografias regulares permitem reduzir em até 40% o risco de morte por cancro da mama em mulheres com idades entre os 50 e os 69 anos. A conclusão é de um novo estudo liderado por uma universidade britânica que contou com a participação de especialistas de 16 países.
 
Os investigadores, coordenados por Stephen Duffy, docente da Queen Mary University, em Londres, Inglaterra, avaliaram o impacto positivo e negativo de diferentes tipos de exames de diagnóstico do cancro da mama, baseando-se na análise de 11 ensaios clínicos e 40 estudos observacionais “de alta qualidade”.
 
Os resultados, publicados esta quarta-feira na revista científica New England Journal of Medicine, tiveram em consideração a existência ou não de programas governamentais de incentivo à realização de mamografias e revelaram que, em geral, quando são chamadas com regularidade para este exame, as mulheres correm um risco 23% inferior de vir a morrer de cancro da mama. 
 
Este risco é ainda mais reduzido – em 40% – no caso de mulheres com idade entre os 50 e os 69 anos, as que mais beneficiam das mamografias. Porém, os cientistas constataram, igualmente, que este tipo de exame pode ser benéfico até na faixa etária dos 70 aos 74 anos, facto que é uma novidade em relação aos atuais consensos.
 
“Esperamos que esta importante análise alerte as mulheres de todo o mundo para o facto de que a mamografia salva vidas”, afirma, em comunicado, Stephen Duffy, que liderou a equipa envolvida na investigação.
 
Segundo Duffy, “as evidências provam que este tipo de exame é uma ferramenta vital no diagnóstico precoce do cancro da mama, reduzindo, consequentemente, o número de mortes causadas pela doença”. 
 
“É vital que continuemos a estudar as formas mais eficazes de examinar as mulheres com elevado risco de cancro da mama, quer por questões genéticas quer pelo historial familiar”, acrescenta o principal autor deste estudo internacional.
 
As mamografias destinam-se a um eventual diagnóstico do cancro da mama ainda numa fase inicial, o que melhora muito significativamente o prognóstico das pacientes.

Apesar das preocupações existentes em relação a possíveis malefícios do exame – como os chamados “falsos positivos” ou até a excessiva exposição à radiação -, os investigadores asseguram que as vantagens ultrapassam os riscos.
 

O cancro da mama é o tipo de cancro diagnosticado com mais frequência entre as mulheres, constituíndo-se como a segunda principal causa de morte associada a doença oncológica nos países desenvolvidos e como o cancro mais mortífero entre o sexo feminino nos países em desenvolvimento, onde a sua deteção só acontece, muitas vezes, em estágios demasiado avançados.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close