Saúde

Cancro: Injeção de bactéria pode destruir tumores

A injeção de uma bactéria que vive no solo poderá vir a constituir-se como mais uma estratégia para o combate ao cancro. A conclusão é de um novo estudo que revela que a bactéria é capaz de crescer no interior dos tumores e "matar" o cancro.
Versão para impressão
A injeção de uma bactéria que vive no solo poderá vir a constituir-se como mais uma estratégia para o combate ao cancro. A conclusão é de um novo estudo preliminar de pequenas dimensões, que revela que a bactéria é capaz de crescer no interior dos tumores e matar as células cancerígenas.
 
Um grupo de investigadores do M.D. Anderson Cancer Center, em Houston, nos EUA, injetou em seis pacientes uma estirpe enfraquecida da bactéria Clostridium novyi-NT (C. novyi-NT) , familiar próxima da bactéria que causa o botulismo, removendo-lhe as toxinas perigosas para a tornar inofensiva.
 
Além de desencadear uma resposta imunitária do organismo contra o cancro, a bactéria conseguiu destruir os tumores a partir do interior, preservando as células saudáveis e atacando somente as células cancerígenas, desvendou a equipa durante um simpósio anual sobre Oncologia que decorreu, recentemente, na Flórida, EUA.
 
“Quando os tumores alcançam um determinado tamanho, parte deles não recebe oxigénio, o que os torna resistentes aos tratamentos convencionais como a radiação e a quimioterapia”, explica, em comunicado, Ravi Murthy, um dos autores do estudo e professor de radiologia intervencional. 
 
De acordo com Murthy, “[a bactéria] C.novyi-NT é capaz de proliferar sob este tipo de condições, de se hospedar nas áreas de baixo oxigénio e de destruir os tumores a partir de dentro, poupando os tecidos normais”. 
 
“Basicamente, a C.novyi-NT causa uma infeção no tumor com potencial para matar o cancro”, acrescenta Filip Janku, coordenador da investigação e também docente do M.D. Anderson Cancer Center.
 
Apesar destas observações, e de cinco dos seis pacientes que receberam a injeção ainda estarem vivos (um deles morreu de outras causas alguns meses depois), a investigação terá ainda de ser publicada numa revista científica da área, pelo que os resultados devem ser considerados “preliminares” e exigirão ainda estudos mais profundos.
 

Notícia sugerida por António Resende

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close