Saúde

Cancro: Fármaco motiva recuperação surpreendente

Um homem britânico que sofria da forma mais mortífera de cancro de pele recuperou surpreendentemente graças à administração de um novo fármaco experimental.
Versão para impressão
Um homem britânico que sofria da forma mais mortífera de cancro de pele recuperou surpreendentemente e já está em casa depois de lhe ter sido administrado um fármaco experimental quando lhe eram apenas dadas poucas horas de vida. 
 
Há duas semanas, Charlie Jones foi submetido a uma cirurgia de emergência aos tumores malignos que tinham alastrado aos seus rins e, quando acordou, as notícias não podiam ser piores. Os médicos do Christie Hospital, em Manchester, disseram-lhe que não conseguiria aguentar nem mais um dia e, perante a situação, decidiram testar uma droga denominada Vemurafenib, tornada disponível há pouco tempo.
 
Para espanto de todos, a resposta foi quase imediata e muito positiva. Agora, embora não esteja curado, Charlie está muito melhor e pôde mesmo voltar para junto da família. “Desde que comecei a tomar o novo medicamento tenho vindo a sentir-me mais e mais forte”, disse o paciente à Sky News.
 
“Estou a voltar a ganhar cor no rosto, o meu corpo sente-se muito melhor. Este fármaco está a ajudar-me a recuperar o meu antigo eu”, acrescentou. Também Louise Howard, namorada do doente, ganhou uma nova esperança com este tratamento. O desejo de casar com Charlie voltou a tornar-se possível de concretizar, à semelhança de muitos outros planos. 
 
“Nestes momentos pensamos em tudo o que ainda queremos fazer com a outra pessoa e em tudo o que planeámos. E esta droga pode ajudar-nos a fazer um pouco mais e dar-nos um pouco mais de tempo juntos”, confessou a jovem ao órgão televisivo.

Primeiro novo fármaco contra melanomas a surgir em 30 anos

 
O Vemurafenib é o primeiro novo tratamento para os melanomas malignos a surgir nos últimos 30 anos. O fármaco ataca uma mutação genética detetada em cerca de metade dos pacientes com cancro, aumentando a expetativa de vida de nove para quase 16 meses.
 
James Larkin, oncologista do Royal Marsden Hospital em Londres, já desenvolveu ensaios clínicos com esta droga e observou que os tumores que tinham atingido o fígado de pacientes com cancro encolheram e até desapareceram completamente.
 
“Conseguir um tratamento que demonstra que os melanomas podem ser tratados e controlados é uma enorme notícia”, declarou o especialista à Sky News. “Durante muito tempo os médicos acreditaram que o melanoma era, de alguma forma, diferente e impossível de tratar. Este fármaco mostra que isso não é verdade”, concluiu. 
 
Segundo os médicos, o Vemurafenib é um “medicamento personalizado”. Em vez de tratar todos os pacientes e esperar pela resposta, é feito um teste preliminar que identifica quais têm tumores que apresentam a referida mutação genética. Aqueles em que esta se verificar, poderão beneficiar do tratamento. 
 
Para já, o fármaco ainda não saiu do Reino Unido e o National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE) daquele país terá agora de decidir se o Vemurafenib vai ou não ser amplamente disponibilizado no sistema nacional de saúde. Em qualquer dos casos, os pacientes podem voluntariar-se para tratamento através do Cancer Drugs Fund britânico.
 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close