Saúde

Cancro: Cuba diz ter tratamento sem efeitos colaterais

O grupo empresarial cubano Labiofam anunciou recentemente que está a trabalhar em "novos peptídeos antitumorais" para combate a vários tipos de cancro.
Versão para impressão
O grupo empresarial cubano Labiofam anunciou recentemente que está a trabalhar em “novos peptídeos antitumorais” para combate a vários tipos de cancro. Entre os tratamentos que estão a ser desenvolvidos e que podem revolucionar as alternativas terapêuticas tradicionais está um peptídeo capaz de atuar sobre as células malignas “sem efeitos colaterais”.
 
Em conferência de imprensa em Havana, capital cubana, o diretor-geral do Labiofam, José Antonio, revelou que, em sequência de 14 anos de investigação e estudos pré-clínicos, o grupo concluiu que o efeito destes peptídeos (um tipo de molécula) obtidos por via biotecnológica “supera amplamente os produtos que existem hoje no mercado internacional”. 
 
Segundo a agência EFE, a empresa adiantou ter resultados acerca do impacto de peptídeos para tratamento de cancros como o glioma (um tumor do sistema nervoso central) em crianças e outros tumores cerebrais e do sistema nervoso, bem como cancros de origem epitelial em adultos. 
 
José Antonio Fraga destacou, em particular, o desenvolvimento do peptídeo “RjLB14”, com “resultados impactantes” nos mecanismos de morte celular, visto que o mesmo apenas atua sobre as células doentes “sem efeitos secundários”, o que permitiria substituir o uso de citostáticos, cujo objetivo é evitar a multiplicação e crescimento celular, durante os tratamentos.
 
De acordo com o diretor-geral do Labiofam, os estudos pré-clínicos realizados com ratos mostraram resultados “surpreendentes”, já que em apenas nove dias de tratamento se verificou uma redução de 90% dos tumores e, em determinados casos, o seu desaparecimento total.
 
No entanto, José Antonio Fraga alertou que a empresa não pretende criar “falsas expetativas” sobre algo que “ainda não está concluído”, salientando, ainda assim, que “os resultados pré-clínicos já fornecem evidências suficientes para comprovar e reafirmar a efetividade do tratamento em células humanas”. 
 
Atualmente, os investigadores estão a debruçar-se sobre as questões relacionadas com a toxicologia com vista a chegar ao produto final e solicitar, no próximo ano, a realização de um teste clínico em humanos. 
 
Fraga aproveitou a ocasião para anunciar, a propósito, um simpósio internacional do Labiofam que vai decorrer entre 18 e 20 de Setembro em Havana, onde haverá oportunidade para “compartilhar” e “multiplicar” resultados de forma a “acelerar” o desenvolvimento de alternativas que permitam combater as doenças oncológicas a nível mundial.
 
Recorde-se que, nos últimos anos, o grupo Labiofam tem trabalhado noutros projetos destinados ao tratamento do cancro, em particular a partir das propriedades do veneno de um escorpião cubano. Além disso, comercializa, presentemente, um produto homeopático denominado “Vidatox” que ajuda a aliviar a dor e a tratar sintomas colaterais da doença.

Notícia sugerida por Patrícia Guedes, Lídia Dinis e Elsa Fonseca

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close