Negócios e Empreendorismo

Campanha quer promover biodiesel em Portugal

Menos poluição, solos mais férteis e mais emprego. A Associação Portuguesa de Produtores de Biocombustíveis (APPB) acaba de lançar uma campanha que pretende divulgar as vantagens ambientais e económicas do biodiesel.
Versão para impressão
Menos poluição, solos mais férteis e mais emprego. A Associação Portuguesa de Produtores de Biocombustíveis (APPB) acaba de lançar uma campanha que pretende divulgar as vantagens ambientais e económicas da produção e utilização do biodiesel em Portugal. 

por Patrícia Maia
 
Até 2020, a União Europeia quer que pelo menos 10% do gasóleo vendido no território europeu tenha biodiesel incorporado. No nosso país, essa percentagem é de apenas 7%, pelo que ainda há espaço para esta indústria crescer, até porque, “a maior parte dos veículos está preparada para funcionar com percentagens superiores de biodiesel, nalguns casos de 20 a 30%”, explica ao Boas Notícias o presidente da APPB, João Rodrigues.
 

“As fábricas em Portugal têm uma capacidade de produção instalada de 690 mil toneladas de biodiesel” por ano mas, atualmente, a meta fica a menos de 60 por cento da capacidade total. Ou seja, a produção anual ronda as 390 mil toneladas. No entanto, “se houver vontade das autoridades é possível subir a percentagem de biodiesel no gasóleo”, garante João Rodrigues.
 
A campanha da APPB, intitulada “Se não há petróleo em Portugal, planta-se”, quer reforçar a importância desta aposta nacional tendo em conta os inúmeros benefícios que a produção de biodiesel traz para o ambiente e para a economia.
 
Menos desperdício e solos mais férteis
 
“A incorporação de biodiesel no gasóleo permite reduzir as emissões de gases poluentes para a atmosfera e traz vantagens para os veículos já que permite aumentar a vida útil dos motores, com melhor desempenho, melhor lubrificação e limpeza”, explica João Rodrigues. 
 
Os produtores de biodiesel da APPB – a Iberol, a Fábrica Torrejana, a PRIO (Grupo Martifer), a Biovegetal (Grupo SGC) e a Sovena – utilizam a soja e a colza para produzir combustível biológico. Isto porque estas oleaginosas “não competem diretamente com a alimentação humana” e “são utilizadas essencialmente para a produção de rações animais”. As fábricas de biodiesel podem, assim, reaproveitar este óleos que, “até ao aparecimento dos biocombustíveis, eram desperdiçados”. 
 


Por outro lado, do ponto de vista agrícola, a plantação de soja e colza beneficia os solos, porque fornece azoto, evitando o recurso a fertilizantes químicos. “No caso de Portugal, é uma excelente solução para aproveitar terras abandonadas, ajudando a combater em simultâneo a desertificação e o desemprego”, sublinha o responsável da APPB.
 
Novos postos de trabalho
 
João Rodrigues conclui sublinhando que o nosso país importa, todos os anos, “350 milhões de euros de soja ou colza para produção do biodiesel” e “essas importações poderiam ser substituídas aumentando a riqueza do país e promovendo a criação de novos postos de trabalho”.
 
Ainda que, em Portugal, o biodiesel custe mais do que noutros países, já que está sujeito ao imposto sobre produtos petrolíferos (na Alemanha e em França, por exemplo, está isento), o presidente da APPB não tem dúvidas que o custo da incorporação deste combustível biológico é “pequeno face aos benefícios”. 

Clique AQUI para visitar o site da campanha.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close