Saúde

Caminhadas regulares previnem enxaquecas

A prática de exercícios aeróbicos regulares, nomeadamente de caminhadas ao ar livre, é eficaz no tratamento preventivo da enxaqueca crónica. A conclusão é de um estudo brasileiro.
Versão para impressão
A prática de exercícios aeróbicos regulares, nomeadamente de caminhadas ao ar livre, é eficaz no tratamento preventivo da enxaqueca crónica. A conclusão é de um estudo brasileiro, que revela que este tipo de atividade física resulta na redução da intensidade e frequência das crises.
 
No âmbito do estudo, desenvolvido por investigadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), os especialistas analisaram 60 pacientes de ambos os sexos com idade entre 18 e 50 anos, com diagnóstico de enxaqueca crónica (15 ou mais dias de dor de cabeça por mês) e que seguiram dois modelos distintos de tratamento no período de Junho de 2010 a Julho de 2012.
 
Os voluntários foram divididos em dois grupos de 30 pessoas: o primeiro grupo foi orientado para a prática, durante três meses, de exercícios aeróbicos (caminhadas de 40 minutos ao ar livre, três vezes por semana) e para a toma da medicação preventiva, ao passo que o segundo grupo apenas tomou, durante a experiência, os medicamentos prescritos.
 
Após o processo, todos os pacientes foram avaliados pela equipa em parâmetros como a frequência, a intensidade e a duração das dores de cabeça, os dias de uso de medicação analgésica, o índice de massa corporal (IMC) e a pontuação nas escalas que avaliam depressão e ansiedade, explica um comunicado da Unifesp.

Perda de peso e menos sintomas de ansiedade e depressão

Thais Rodrigues Villa, orientadora do estudo e neurologista do Departamento de Cefaleias do Ambulatório de Investigação e Tratamento da Dor de Cabeça (DITH) da Unifesp, afirma que os resultados foram surpreendentes.
 

“O estudo demonstrou que o grupo de pacientes que utilizou a combinação de terapia de medicamentos preventivos associada a exercícios aeróbicos apresentou uma melhoria significativa em todos os parâmetros da cefaleia e também na redução do índice de massa corporal, resultando em perda de peso”, revela a investigadora.
 
De acordo com Villa, “a média de dias de dor de cabeça num mês passou de 23 para 5 dias”, uma redução bastante superior à dos pacientes que apenas tomaram a medicação: estes “melhoraram cerca de 50%, com uma queda de 25 para 13 dias de dor”. 
 
Além disso, “a melhoria nos sintomas de depressão e ansiedade também foi mais evidente no grupo que praticou exercícios”, notou a especialista, que acrescenta que “o exercício aeróbico de intensidade moderada, praticado regularmente, pode promover o relaxamento muscular, a melhoria do condicionamento cardiovascular e a redução da frequência, intensidade e duração das crises de dor de cabeça”.
 
A coordenadora do estudo destacou ainda que, “mesmo com os exercícios realizados em casa, os pacientes tiveram resultados positivos”, mas lembrou que “para a realização deste tipo de tratamento é necessário o acompanhamento de um médico especialista”.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close