Inovação e Tecnologia

Calções carregam telemóvel com o calor do corpo

Chama-se Power Pocket e quer pôr um fim às preocupações com a bateria do telemóvel. Esta nova tecnologia não precisa de corrente elétrica nem de energia solar para alimentar o equipamento.
Versão para impressão
Chama-se Power Pocket e quer pôr um fim às preocupações com a bateria do telemóvel. Esta nova tecnologia não precisa de corrente elétrica nem de energia solar para recarregar o equipamento. O único requisito é um corpo humano. 
 
O dispositivo funciona através de módulos termoelétricos que convertem o calor do corpo humano em energia. Os primeiros protótipos já estão disponíveis em versão calção e saco-cama, com os quais é possível carregar o telemóvel enquanto se anda, dança ou dorme. 
 
O projeto foi desenvolvido numa parceria entre a Vodafone e o departamento de Ciências Eletrónicas e Computação da Universidade de Southampton. A fase experimental arrancou no passado dia 13 de Junho, no Isle of Wight Festival, em Inglaterra, e vai decorrer ao longo de toda a época “festivaleira” deste Verão.
 
“Assim por alto, podemos dizer que oito horas dentro do saco-cama equivalem a 24 minutos de conversação e a 11 horas em stand-by. Isto assumindo que o seu interior está à temperatura média do corpo humano, ou seja, 37ºC”, explica Stephen Beeby, professor de Sistemas Eletrónicos na Universidade de Southampton e líder do projeto. 
 
Da mesma forma, um dia inteiro a dançar com o telemóvel no bolso dos calções Power Pocket consegue carregar um smartphone por 4h.  
 
Em cada um dos dispositivos Power Pocket, a conversão em energia elétrica é feita através de módulos termoelétricos que transformam oscilações de temperatura em energia elétrica. 
 
“Os módulos termoelétricos são compostos por duas camadas, uma fria e outra quente (aquela que fica em contato direto com o corpo). Os fluxos de calor transmitidos pelo corpo humano e as diferenças de temperatura entre as duas camadas criam uma tensão e corrente elétrica que, por sua vez, geram energia elétrica”, explica o responsável, em comunicado divulgado no blog da Vodafone UK.
 
Embora os testes estejam a decorrer, a equipa de investigação continua a trabalhar no projeto. “Ainda há muita pesquisa a fazer, de forma a tornar o material resistente e aplicável a todas as roupas”, diz Stephen, confiante de que “daqui a dez anos, esta tecnologia vai estar presente na roupa do dia-a-dia e acessível a todos”. 

Notícia sugerida por Vítor Fernandes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close