Negócios e Empreendorismo

Calçado quer dar poupança na TSU aos trabalhadores

Por considerarem a redução da contribuição das empresas para a Segurança Social e o seu agravamento para os trabalhadores uma medida injusta, alguns empresários do calçado admitiram já distribuir a poupança alcançada pelos funcionários.
Versão para impressão
Por considerarem a redução da contribuição das empresas para a Segurança Social e o seu agravamento para os trabalhadores uma medida injusta, alguns empresários do calçado admitiram já distribuir a poupança alcançada com a sua aplicação pelos funcionários.
 
No âmbito da feira de calçado de Milão, vários nomes do calçado português manifestaram-se contra esta alteração, que consideram não servir os interesses dos consumidores e ir falhar na tentativa de gerar mais empregos.
 
“O dinheiro que eu ganhar será diretamente para os trabalhadores”, garantiu o designer de sapatos Luís Onofre durante o evento, citado pela Lusa, rejeitando, desta forma, que a proposta do Governo de reduzir a Taxa Social Única (TSU) conduza à criação de emprego.
 
De acordo com empresário, detentor da marca com o seu nome, a distribuição da poupança conseguida com a redução da TSU será, portanto, “uma forma de motivar” os 52 funcionários que emprega na fábrica em Oliveira de Azeméis. 
 
“Se a ideia é aumentar a produtividade nacional, esta medida vai no sentido contrário. Este apoio às empresas não vai criar mais emprego. Eu não vou criar mais emprego”, afirmou Luís Onofre.
 
A mesma opinião é partilhada por Carlos Santos, proprietário da Zarco, que salientou que esta redução da TSU “não significa muito para as empresas já que os salários representam cerca de 10% do custo de produção”.  
 
O ano passado, o empresário deu prémio aos seus mais de 100 trabalhadores, no valor de cerca de um terço do ordenado e em 2012 considera repetir a boa ação. “Se puder, este ano voltarei a compensar os trabalhadores, porque quero vê-los satisfeitos e tenho a certeza de que há muitos empresários que vão fazer o mesmo”, garantiu.

APPICAPS sem posição formal
 
Apesar de admitir que há “várias pontas soltas” sobre a medida proposta pelo Governo, a Associação de Industriais de Calçado (APICCAPS) ainda não se posicionou formalmente por defender que “ainda é cedo para tecer um comentário sustentado” acerca do assunto”.
 
“Temos de conhecer em detalhe todas as medidas apresentadas e, em especial, o que está relacionado com a descida da TSU, mas consideramos que há medidas mais urgentes, como a dificuldade no acesso ao crédito e o atraso no reembolso do IVA às empresas, que deveriam merecer atenção redobrada” por parte dos governantes, disse aos jornalistas o porta-voz da Associação.
 
Recorde-se que o Executivo pretende reduzir a TSU em 5,75 pontos percentuais para as empresas – passando-a dos actuais 23,75% para 18% – e aumentá-la em sete pontos percentuais – para 17% – para os trabalhadores.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close