Negócios e Empreendorismo

Calçado luso: EUA têm 200 milhões de potenciais clientes

A Associação dos Industriais de Calçado está, neste momento, a negociar um acordo comercial com os EUA que acredita ser positivo para o setor. As estimativas apontam para 200 milhões de potenciais clientes norte-americanos, num mercado que se pode vi
Versão para impressão
A Associação dos Industriais de Calçado está, neste momento, a negociar um acordo comercial com os EUA que acredita ser positivo para o setor. As estimativas apontam para 200 milhões de potenciais clientes norte-americanos, num mercado que se pode vir a tornar o maior a nível de exportações para a indústria. 
 
Ainda que, atualmente, sejam os países europeus aqueles que absorvem a maior parte das exportações de calçado nacional, o objetivo passa por procurar “mercados alternativos”. Quem o diz é João Maia, diretor executivo da Associação dos Industriais de Calçado, para quem este acordo com os EUA é de grande importância, a par do Japão.
 
O responsável encara este país asiático como possível segundo mercado de exportação, já que a Europa, onde se encontram os “clientes ricos” é equiparada a mercado doméstico. Além disso, segundo conta, os EUA produzem “um décimo” do que a indústria portuguesa fabrica, não tendo um “preço médico significativo”. 
 
Por seu lado, o preço do calçado nacional para exportação ronda os 23 euros, sendo o segundo mais elevado a nível mundial e custando o triplo do calçado importado. Como o novo acordo, o setor poderia passar a exportar 10% da produção para os EUA, em vez dos atuais 3%.
 
“O acordo que está em negociação é muito abrangente, tem várias áreas de atuação, como a regulação, mas para nós o mais significativo são as tarifas”, adianta à Lusa.

Na generalidade, as taxas aduaneiras rondam os 10%, o que significa que cada par de sapatos exportados para os EUA paga um imposto de 10% à entrada no país. No entanto, defende que “um acordo de comércio livre terá tendência a eliminar esta tarifa”. 
 

As preocupações recaem também sobre o facto de o tratado demorar muito tempo a negociar, sublinhando que o acordo partiu de “um esforço político muito forte do Presidente Obama” para fazer face à falta de crescimento na Europa e nos EUA, podendo ficar num impasse caso as negociações ultrapassarem o mandato de Obama. 
 
“O nosso medo é que demore mais do que o mandato do presidente Obama e depois não haja esse esforço político. Daí acharmos que tem de ser negociado neste horizonte temporal de 2014/2015”, adianta.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close