Fitness & Bem-estar

Calçada portuguesa é exemplo de beleza citadina

A calçada portuguesa é um exemplo de beleza citadina a nível mundial. Quem o garante é Edwin Heathcote, crítico de arquitetura e design do jornal britânico Financial Times, que dedicou um artigo ao debate sobre a beleza nas cidades modernas.
Versão para impressão
A calçada portuguesa é um exemplo de beleza citadina a nível mundial. Quem o garante é Edwin Heathcote, crítico de arquitetura e design do jornal britânico Financial Times, que dedicou um artigo ao debate sobre a beleza nas cidades modernas ilustrado com uma fotografia do Rossio, em Lisboa.
 
Ao longo do artigo, Heathcote defende que “parecemos ter perdido o talento para criar cidades bonitas”. Outrota, explica, cidades como Paris, Vienna ou Sydney foram planeadas para serem bonitas, tornaram-se belas graças ao local onde se ergueram e à paisagem que as rodeava ou, noutros casos, à sua densidade populacional, que as encheu de luzes vibrantes e edifícios tão altos que parecem tocar o céu.
 
De acordo com o arquiteto, deixou, no entanto, de haver meio-termo. A noção de beleza tem vindo a perder-se ou, por contraste, a tornar-se demasiado importante, sacrificando-se a função dos edifícios: quem os constrói procura soluções bonitas e atraentes para a vista, mas pouco úteis para uma utilização quotidiana.
 
“Talvez devessemos, em vez disso, procurar a beleza a um nível 'micro'. Dessa forma podemos conseguir encontrar coisas belas até nas mais cinzentas metrópoles”, afirma Heathcote, que garante que “há beleza nas paisagens impressionantes e nas vistas que nos deixam assoberbados, mas também há beleza na emoção do inesperado e dos felizes acasos”.
 
“Passar por um beco escuro e estreito e chegar a uma pequena praça com uma fonte. Ver uma rua a transformar-se lentamente num mercado ou num parque de diversões ao ar livre. Essas são as verdadeiras emoções do urbanismo”, ilustra. 

Calçada portuguesa é “momento de beleza” urbano
 
Em Lisboa, assegura Heathcote, é também possível encontrar uma destas “emoções” ou, como os classifica, “momentos de beleza” urbanos. Trata-se da calçada portuguesa, que merece, aliás, o grande destaque do artigo, servindo como a sua imagem principal.
 
“A visão de padrões maravilhosos em forma de ondas no pavimento, que parecem refletir a Natureza tão próxima da água de uma cidade que, no passado, foi destruída por um terramoto” é um dos exemplos de que a beleza permanece nos grandes centros urbanos e que apenas tem de ser olhada com outros olhos, defende o arquiteto britânico.
 
Outros exemplos podem ser encontrados em cidades como Londres, mais especificamente num dos seus célebres bairros, o Soho, no Grande Canal de Veneza ou nos mercados noturnos de Hong Kong, acrescenta.

Clique AQUI para aceder ao artigo (em inglês).


[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close