Ambiente

Cães olham para os donos como se fossem pais

A adaptação dos cães ambiente doméstico tornou-os tão próximos dos seus cuidadores que, diz estudo, a relação estabelecida entre estes "amigos de quatro patas" e os donos é semelhante à ligação profunda que existe entre as crianças e os pais.
Versão para impressão
Há cerca de 15.000 anos que os humanos têm cães como animais de estimação. Porém, a adaptação destes animais ao ambiente doméstico tornou-os tão próximos dos seus cuidadores que, de acordo com um estudo recente, a relação estabelecida entre estes “amigos de quatro patas” e os donos é semelhante à ligação profunda que existe entre as crianças e os pais.
 
Um dos aspetos já conhecidos da relação entre humanos e cães diz respeito ao “efeito de base de segurança”, um efeito também encontrado nos laços entre pais e filhos, já que os bebés e crianças encaram aqueles que tratam deles como um símbolo de segurança para a interação com o meio ambiente.
 
Porém, este efeito estava pouco explorado no que toca à ligação entre cão e dono, o que levou Lisa Horn, investigadora do Vetmeduni's Messerli Research Institute, na Áustria, a decidir aprofundar os conhecimentos existentes acerca desta relação.
 
Horn e os seus colegas analisaram as reações de 20 cães adultos sob diferentes condições: dono ausente, dono silencioso e dono encorajador. Ao brincar com brinquedos interativos, os animais podiam receber uma recompensa (nomeadamente um 'snack', mas, de acordo com a investigação, pareceram menos interessados na mesma quando os donos estavam ausentes do que quando estavam por perto.
 
Por outro lado, o facto de os donos encorajarem o animal ou permanecerem em silêncio durante a brincadeira mostrou ter pouca influência nos seus níveis de motivação, conforme avança o estudo publicado na revista científica PLOS ONE.

Presença dos donos desencadeia confiança
 

Na experiência seguinte, explica um comunicado, a equipa de Lisa Horn repetiu o procedimento, mas substituindo o dono por um desconhecido. Os cientistas observaram que os animais pouco interagiram com os estranhos e que o interesse em garantir a recompensa quando os estranhos estavam ou não presentes era praticamente igual. 
 
Segundo Horn, os cães mostraram-se muito mais motivados apenas na presença do dono, o que levou a investigadora a concluir que esta presença é importante para que o animal se comporte de uma forma confiante, tal como acontece com as crianças de tenra idade na presença dos pais. 
 
“Uma das coisas que mais nos surpreenderam foi o facto de os cães adultos se comportarem, em relação aos cuidadores, como as crianças humanas se comportam em relação aos pais”, afirmou a cientista.
 
“Vai ser interessante descobrir como é que este comportamento evoluiu nos cães”, acrescentou a investigadora, realçando que o paralelo vai continuar a ser estudado em análises comparativas diretas em cães e crianças. 

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês). 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close