Saúde

Brasil: Terapia com luz elimina cancro da pele

No Brasil, uma terapia usada para curar um tipo de cancro de pele em cães pode vir a salvar vidas humanas. A terapia fotodinâmica foi bem-sucedida em ensaios clínicos e já se encontra pronta para ser testada em humanos.
Versão para impressão
No Brasil, está a ser desenvolvida uma nova terapia à base de luz, para tratar cancro da pele, que já foi testada com sucesso em cães. A terapia fotodinâmica está agora pronta para avançar com testes clínicos em humanos.

A terapia fotodinâmica envolve uma emulsão (uma preparação gelatinosa sensível à luz), o uso de nanotecnologia e a aplicação de um fotossensibilizador.

Segundo a veterinária Marta Rocha, que desenvolve a técnica como trabalho de doutoramento na Universidade de Brasília, a terapia requer a aplicação de uma emulsão no tumor, sendo a fórmula depois ativada por um fotossensibilizador – uma luz vermelha que produz radicais livres que eliminam as células cancerígenas.

Esta técnica tem a vantagem de dispensar quimioterapia, radioterapia e até cirurgia. Além disso também estimula o sistema imunológico, que faz com que o próprio organismo combata o cancro, e não apresenta efeitos colaterais.

"O que se busca em tratamento para cancro é a imunoterapia: é fazer com que o organismo reaja contra o cancro. Mas o que acontece quando você faz quimioterapia e radioterapia é o contrário: a imunidade cai", explica Ricardo Bentes, coordenador do INCTN. 

"Nesse caso, se ficar alguma célula residual, o organismo está imunodeprimido, e o tumor pode voltar com tudo e vir até mais agressivo. O que a gente percebe com a terapia fotodinâmica é que ela faz uma imunoestimulação", acrescenta o investigador.

A terapia foi desenvolvida pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Nanotecnologia (INCTN), que procura agora parceiros na indústria farmacêutica para trazer este projeto ao mercado.

Próximo passo: humanos

Os ensaios clínicos realizados com cães conseguiram curar o hemangiossarcoma cutâneo em sete cães que receberam o tratamento, mas as aplicações em seres humanos já estão a ser preparadas.

“Estamos ajustando o fluído que será usado em pessoas”, explica Ricardo Bentes, citado pela Agência Brasil. “[É] uma questão de acertar detalhes como a estabilidade do produto e em que quantidade penetra para darmos como concluído”.

Difícil, não impossível

Há desafios nas aplicações deste tratamento em seres humanos. No caso do hemangiossarcoma, a sua prevalência em humanos tende a afetar órgãos internos, o que dificulta a penetração da luz.

Mas a técnica também está a ser adaptada a outros tipos de cancro na pele, como o carcinoma basocelular (que é curável com cirurgia, quimioterapia local e radioterapia). Os investigadores também pretendem adaptar este tratamento a outras formas de cancro, mas também em patologias causadas por fungos e bactérias.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close