Mundo

Brasil reforça apoios a Moçambique

Ao longo dos últimos anos, o governo brasileiro tem apostado num conjunto de iniciativas para potenciar o desenvolvimento social e económico em Moçambique. Uma das ações mais notáveis da chamada "diplomacia da generosidade" envolve a instalação da pr
Versão para impressão
Ao longo dos últimos anos, o governo brasileiro tem apostado num conjunto de iniciativas para potenciar o desenvolvimento social e económico em Moçambique. Uma das ações mais notáveis da chamada “diplomacia da generosidade” envolve a instalação da primeira fábrica de medicamentos naquele país africano.

Mais de metade do orçamento de Estado moçambicano provém de ajudas externas – os donativos correspondem a mais 1,2 mil milhões de euros, só este ano – e é para lá que o Brasil envia a maior parte dos seus recursos em projetos de cooperação técnica nas áreas da saúde, educação, agricultura, ciência e tecnologia.

O projeto mais relevante foi lançado há dois anos, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e trata-se da primeira fábrica de medicamentos do país, que produzirá inclusivamente fármacos antirretrovirais, usadas no combate à sida.

De acordo com a BBC Brasil, a grande meta da iniciativa é reduzir a grande dependência externa de um país que, hoje em dia, importa todos os remédios que consome, o que implica gastos anuais na ordem dos 54 milhões de euros.

“Pela primeira vez vamos ter uma fábrica deste género no país. Além do impacto de reduzir a dependência externa, ela vai abrir caminhos para que nós possamos de forma direta garantir a qualidade dos medicamentos”, afirmou o diretor-adjunto da saúde pública de Moçambique, Leonardo Chavane, em declarações à BBC Brasil.

Para a fábrica, que se prevê que esteja concluída ainda este ano, o Brasil vai doar o registo de alguns dos medicamentos a serem produzidos, incluindo dados sobre todo o processo de fabrico, desde as técnicas usadas na produção até à embalagem.

“É uma fábrica nova e nós temos consciência de que agora não temos pessoal treinado para fazer a gestão de uma fábrica destas. E o Brasil vai mandar o pessoal que vai treinar esses quadros, que depois de um tempo serão as pessoas que serão responsáveis pela gestão da fábrica”, adianta Chavame.

Apoios à agricultura

O projeto ProSavanna, lançado no final de agosto, prevê a transferência de técnicas agrícolas brasileiras para Moçambique, de forma a ajudar o país a desenvolver a sua produção alimentar na área de savana. Este programa vai beneficiar 400 mil pequenos produtores, estima o governo moçambicano.

Contudo, têm sido levantadas diversas polémicas em torno dos acordos firmados entre os dois países, também com a intervenção da União Europeia, especialmente no que toca à implementação da produção de biocombustíveis nos territórios de Moçambique.

Sendo que Moçambique é um país com graves problemas de fome, o uso das terras deveria privilegiar a segurança alimentar e não a produção de biocombustíveis para consumo europeu, apontam os críticos da medida.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close