Mundo

Brasil condecora historiador português

O historiador de arte José António Falcão foi condecorado com a Medalha Barão de Studart, a mais alta distinção científica e cultural do Ceará, pelos seus contributos para o conhecimento do fundador deste estado brasileiro, o capitão Martim Soares.
Versão para impressão
O historiador de arte José António Falcão foi condecorado com a Medalha Barão de Studart, a mais alta distinção científica e cultural do Ceará (Brasil), pelos seus contributos para o conhecimento do fundador deste estado brasileiro, o capitão-mor Martim Soares Moreno, um alentejano que se tornou numa figura primordial da história do Brasil.

Aliado dos índios pitiguaras, que habitavam no litoral, o capitão-mor Martim Soares Moreno estabeleceu laços matrimoniais com a célebre índia princesa Iracema, “a virgem dos lábios de mel”, heroína do romance do mesmo nome, publicado por José de Alencar em 1865, um clássico da literatura brasileira.

Separando a lenda da realidade, as investigações do historiador José António Falcão – que dirige desde 1984 o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja – têm permitido olhar, sob uma óptica diferente, a personalidade de Martim Soares Moreno, dentro do seu quadro histórico.

Na sua investigação sobressai um fenómeno ainda pouco estudado, a presença de alentejanos no período da expansão territorial do Brasil, onde desempenharam, nos séculos XVII e XVIII, as mais diversas atividades, como por exemplo funcionários da Coroa, militares, arquitectos, comerciantes, missionários ou simples lavradores. Poucos, no entanto, atingiram o destaque do capitão-mor do Ceará.

José António Falcão tem levado a cabo a inventariação, o restauro e a dinamização das igrejas e da arte sacra do Alentejo meridional. Foi o seu trabalho de levantamento dos arquivos locais – na busca de pistas para esclarecer a existência de monumentos realizados em Portugal por artistas do Brasil (como o santuário de Nossa Senhora da Assunção, em Messejana, um caso invulgar na nossa arquitectura) – que pôs o investigador no encalce de Martim.

“Afinal, Soares e Moreno são apelidos frequentes na região; quando se ajustam as peças do 'puzzle', tendo por fundo o Alentejo anterior ao Liberalismo, tornam-se perceptíveis as intensas ligações com o Brasil, destino privilegiado para muitos alentejanos de então”, explica o investigador citado num comunicado enviado ao Boas Notícias.

José António Falcão é conservador-chefe de museus e professor universitário. Membro da Academia Nacional de Belas-Artes e da Academia Portuguesa da História, desempenha funções como secretário-geral adjunto de Europae Thesauri, organismo assessor da União Europeia. Tem publicado um vasto conjunto de obras sobre a história e a arte do Alentejo.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close