Mundo

Brasil: Agravadas sanções contra o trabalho escravo

O Parlamento brasileiro aprovou uma emenda constitucional que defende castigos agravados para os donos de terras que pratiquem trabalho escravo e estabelece, inclusive, a possibilidade de expropriação sem qualquer compensação.
Versão para impressão
O Parlamento brasileiro aprovou uma emenda constitucional que defende castigos agravados para os donos de terras que pratiquem trabalho escravo e estabelece, inclusive, a possibilidade de expropriação sem qualquer compensação nos casos em que tal se verifique.
 
O congressista Domingos Dutra disse à Associated Press (AP) que, além de ficarem sem as suas terras, os infratores poderão também sujeitar-se às penas já existentes no código penal brasileiro contra o crime de escravatura, que prevêem multas e pena de cadeia. 
 
Caberá agora a uma comissão do Senado redigir a legislação que vai determinar a forma como será feita a confiscação da propriedade e clarificar, de forma rigorosa, o que se enquadra na definição de “trabalho escravo”.
 
O trabalho escravo é uma prática corrente em diversos pontos do Brasil, sendo especialmente comum em quintas remotas do interior do país e em fazendas de cana-de-açúcar. Porém, também existe em fábricas urbanas, em particular do setor têxtil, instaladas nas principais cidades do país.
 
Desde 1994, ano em que o governo brasileiro começou a apertar o cerco à escravatura, muitos fazendeiros foram multados em cerca de 35 milhões de dólares. Porém, de acordo com as declarações de Dutra à AP, a maioria das multas ficam por pagar devido ao complexo sistema penal.

 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close