Sociedade

Bragança: Nova iniciativa para prevenir bullying escolar

O município de Vila Flor, em Bragança, iniciou, esta segunda-feira, um programa de prevenção do bullying para ajudar as crianças a lidar com o problema e para identificar possíveis vítimas de violência física e psicológica em ambiente escolar.
Versão para impressão
O município de Vila Flor, em Bragança, iniciou, esta segunda-feira, um programa de prevenção do bullying para ajudar as crianças a lidar com o problema e para identificar possíveis vítimas de violência física e psicológica por parte dos colegas em ambiente escolar.
 
O “Programa de Prevenção sobre Bullying”, que vai prolongar-se até ao dia 14 de Fevereiro, é da responsabilidade do Gabinete de Psicologia daquela vila bragantina e é descrita pela autarquia como “uma iniciativa de cariz totalmente pedagógico que pretende desenvolver estratégias de cooperação e aceitação nos grupos de crianças de várias idades”.
 
Ao longo das várias sessões do programa, a equipa de psicólogos vai trabalhar com os sentimentos, as formas de dar resposta a um agressor e os meios existentes para ajudar alguém que seja vítima de bullying. 
 
Constituindo-se como uma temática cada vez mais discutida, o bullying consiste na prática de atos violentos, intencionais e repetidos contra alguém, uma prática que provoca danos físicos e psicológicos. Estes atos são, por norma, dirigidos contra pessoas consideradas incapazes de se defender e que, assim, são levadas a temer os agressores. 
 
Esta iniciativa contra o bullying vai decorrer nas diversas escolas do município com alunos do primeiro ciclo, tendo como parceiros a Câmara Municipal de Vila Flor, a Santa Casa da Misericórdia e o Centro de Saúde Local. 

Chegar também a pais e professores
 

Em declarações à Lusa, a psicóloga Carla Santos, que dirigiu, esta segunda-feira, a primeira sessão do programa na escola de Seixo de Manhosos, contou que a mesma consistiu na apresentação de uma história que retrata uma situação de bullying, que depois foi recriada pelas crianças.
 
“Cada um recria uma personagem e, a seguir, identificam o sentimento de cada uma delas”, explicou a especialista, acrescentando que a iniciativa se destina não só a prevenir as situações de violência física ou psicológica dos alunos sobre outros colegas, como também a sinalizar eventuais casos existentes. 
 
O programa contempla ainda a afixação na sala de aula de frases relacionadas com este tema e a distribuição de uma ficha para que os professores trabalhem, posteriormente, com as crianças sobre o assunto, na qual os mesmos serão convidados a “contar possíveis situações delas ou de colegas”. 
 
No âmbito destas sessões pedagógicas pretende-se, portanto, “trabalhar os sentimentos, as formas de responder a um 'bully' (aquele que pratica a violência), assim como a melhor forma de ajudar alguém que seja vítima”. 
 
“Mais tarde”, adiantou Carla Santos, os promotores ambicionam alargar este projeto a pais e professores com o apoio do Centro de Saúde, aumentando a consciencialização sobre este problema. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close