Mundo

BP: Testes travam derrame no Golfo do México

Três meses depois do início daquela que foi a pior maré negra da história dos Estados Unidos, a BP conseguiu finalmente estancar, nos últimos testes, a fuga e parar o derrame nas águas do Golfo do México.
Versão para impressão
Três meses depois do início daquela que foi a pior maré negra da história dos Estados Unidos, a BP conseguiu finalmente estancar, nos últimos testes, a fuga e parar o derrame nas águas do Golfo do México.

A BP anunciou nesta quinta-feira que, após testes, o sistema instalado sobre o poço no Golfo do México para travar a fuga respondeu bem e, pela primeira vez desde o acidente, o petróleo parou de vazar no mar.

Num comunicado publicado no site da BP, a empresa diz que, durante as provas, as três aberturas continuaram fechadas, “o que a efeitos práticos fecha o poço”. “Embora não se possa garantir, se espera que não se derrame mais petróleo no mar”, afirma a nota.

A BP, empresa responsável pelo vazamento, retomou os testes de resistência da estrutura depois de suspendê-los durante a noite desta quarta-feira por detectar uma fissura.

“As provas começaram nesta quinta-feira, de acordo com os procedimentos aprovados pelo Comando Nacional de Incidentes”, e até o momento desenvolvem-se com normalidade, segundo o comunicado.




Os primeiros testes vão durar pelo menos seis horas e mas podem prolongar-se por 48, acrescenta a declaração.

A empresa adverte, no entanto, que embora o petróleo tenha parado de vazar no mar durante a primeira fase de testes, “isso não quer dizer que o fluxo de petróleo e gás do poço tenha sido detido de maneira permanente”.

Os próximos testes medirão a pressão interna do sistema. Se a pressão for baixa demais poderá haver uma fuga similar à detectada na quarta à noite e será necessário começar o processo novamente.

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, o coordenador da luta contra o vazamento por parte do Governo dos EUA, almirante Thad Allen, disse que o registro de pressão alta será uma boa notícia, pois quer dizer que o dispositivo funcionou devidamente e que está em condições de suportar o fluxo de petróleo.

Se os testes derem resultados positivos, o sistema será ligado por meio de oleodutos a navios na superfície. O sistema terá capacidade para enviar até 80 mil barris diários de petróleo para os navios, uma quantidade superior à que vazava do poço estragado, calculada em entre 35 mil e 60 mil barris.

O atual sistema será apenas provisório, enquanto a solução permanente consiste em dois poços auxiliares, através dos quais se injetará uma mistura de lama pesada e cimento para selar o poço.

O vazamento começou no dia 20 de abril, por causas ainda desconhecidas, depois da explosão – que matou 11 funcionários – e o afundamento dois dias depois da plataforma Deepwater Horizon, operada pela BP.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close