Cultura Em Destaque

Boom Festival: os números que traduzem mais edição com saldo postivo

“Põe Idanha no mapa, mas também beneficia Portugal com o seu impacto e imagem positivos", afirmou Ana Godinho, secretária de Estado do Turismo
Versão para impressão

Será sempre redutor fazer o balanço de mais uma edição do Boom Festival com base em números. Falta-lhes as cores, os sons, a alegria e, por muita grandeza que expressem, nunca conseguirão traduzir o sentido de comunidade único deste evento, que, este ano, reuniu nos 150 hectares da Boomland, em Idanha-a-Nova, na lua cheia de 22 a 29 de julho, cerca de 30.000 boomers, 508 dos quais crianças e 53 com necessidades especiais, de 147 nacionalidades.

A 12ª edição do Boom Festival contou com mais de 392 horas de música, instalações artísticas de 37 artistas e 420 conferências, workshops, espetáculos de dança e atividades infantis. Destaque para a participação de Leo Hoffman-Axthelm, representante europeu da Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares, organização que conquistou o Prémio Nobel da Paz em 2017.

O evento bienal de cultura independente que, desde 1997, se realiza na lua cheia de julho ou agosto, é uma referência internacional. Multidisciplinar, transgeracional e intercultural, o Boom tem um impacto social, económico e cultural enorme no Interior do país.

Com uma paisagem marcada pela enorme escultura “Emergence” de Daniel Popper – o artista multidisciplinar sul-africano, que percorre o mundo criando uma enorme variedade de esculturas, instalações e palcos, sendo conhecidas as suas criações para festivais como o Boom, em Portugal, o “Electric Forest”, nos Estados Unidos, ou o “Rainbow Serpent”, na Austrália –, a 12ª edição acolheu instalações de 15 coletivos e 10 artistas internacionais e de sete coletivos e cinco artistas portugueses, num total de 37. 193 music acts e exposição de obras de 26 artistas plásticos

Mais de 392 horas de música nos quatro palcos principais do festival – Dance Temple, Sacred Fire, Alchemy Circle e Chill Out –, distribuídas por 193 music acts de DJ’s Sets e bandas ao vivo, dos quais 41 portugueses, fizeram também mais uma edição do Boom Festival que, como habitualmente, contou com palestras na Liminal Village, este ano dedicadas ao tema “Ativismo”, e na área NGO Django e Eco Tech Hub, bem como uma grande variedade de workshops.

A MOVA, a galeria de artes plásticas do Boom Festival, exibiu obras de 26 artistas, numa edição em que 13 organizações não governamentais tiveram a oportunidade de divulgar o trabalho que realizam em prol de um planeta mais equilibrado e sustentável.

30% usaram o Boom Bus e 100 de bicicleta
Reconhecido internacionalmente pela sua vertente ambiental, o Boom Festival colocou 213 autocarros à disposição dos boomers, como forma de reduzir o número de veículos em circulação e, desta maneira, os gases nocivos na atmosfera. Aproximadamente 30% de todos os participantes, ou seja 10.176, usaram o Boom Bus, sendo que mais de 100 pessoas aderiram à Boom By Bike Initiative e chegaram ao festival de bicicleta.

Integrando 194 pessoas na Eco Team, oito Eco Guardians e 88 colaboradores na equipa de limpeza e higienização dos espaços comuns do Boom, nesta edição foram disponibilizados ao público:
– 378 casas-de-banho compostáveis;
– 30.000 cinzeiros portáteis;
– 400 Kg de sabonetes biodegradáveis;
– 233 chuveiros.

Para a organização de mais uma edição do festival, a organização recorreu a um total de 203 fornecedores, 90% dos quais nacionais e 31% do distrito de Castelo Branco. Para abastecer os 41 restaurantes e bares, o Boom deu preferência a produtores locais e nacionais, que representaram 73% dos fornecedores de produtos para estas áreas. Mais de metade dos produtos para estas áreas – 51% – são biológicos e/ou orgânicos.

De salientar que o Boom Festival é membro da iniciativa “United Nations Music & Environment Stakeholder” desde 2010, a convite da UNEP – United Nations Environment Programme, organismo pertencente à ONU, e foi distinguido em 2008, 2010, 2012, 2014 e 2016 com o “Outstanding Greener Festival Award”, o prémio mundial mais importante de eventos sustentáveis atribuído por “A Greener Festival”.

Sobre o evento, disse recentemente Ana Godinho, secretária de Estado do Turismo: “Põe Idanha no mapa, mas também beneficia Portugal com o seu impacto e imagem positivos”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close