Sociedade

‘Bombeiro’ foi eleita “palavra do ano” de 2013

Numa votação online, os portugueses elegeram 'bombeiro' como a palavra do ano de 2013. A iniciativa foi organizada pela Porto Editora que anunciou, esta sexta-feira, o vocábulo que, para mais de 15.000 lusos, marcou o ano passado. O segundo lugar é o
Versão para impressão
Numa votação online, os portugueses elegeram 'bombeiro' como a palavra do ano de 2013. A iniciativa foi organizada pela Porto Editora que anunciou, esta sexta-feira, o vocábulo que, para mais de 15.000 lusos, marcou o ano passado. O segundo lugar é ocupado pelo termo 'irrevogável', seguido de 'inconstitucional'. 
 
De entre uma lista de dez palavras, selecionadas pela equipa de linguistas do Departamento de Dicionários daquela editora e colocadas a votação entre 2 a 31 de Dezembro, 'bombeiro' foi aquela que contou com o maior número de votos (48%). 
 
Fonte da editora explicou à Lusa que a lista de dez palavras foi feita “com base em critérios de frequência de uso e de relevância assumida, quer através dos meios de comunicação e redes sociais, quer da utilização dos dicionários da Porto Editora, nas suas versões online e mobile”. 
 
A organização acredita que a escolha do vocábulo 'bombeiro' como “a palavra do ano” se deve à “enorme coragem demonstrada pelos bombeiros portugueses no combate aos violentos incêndios que destruíram florestas e roubaram vidas”. 
 
No segundo lugar da lista, com 17%, ficou a palavra “irrevogável”, que foi como o ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas definiu a sua demissão do Governo, que acabou por não se concretizar, sendo o mesmo, atualmente, vice-primeiro-ministro.
 
Com 10% dos votos e em terceiro lugar da votação, ficou a palavra “inconstitucional”, cujo uso se incrementou devido aos “chumbos” do Tribunal Constitucional a várias medidas apresentadas pelo executivo em funções.
 
Todas as restantes palavras da lista ficaram abaixo da fasquia dos 10%. 'Grandolada', por exemplo, que “surgiu como uma ação de protesto contra a austeridade e o Governo, e se afirmou como tal pela sua originalidade”, registou 8% dos votos. A mesma encontra-se seguida por 'papa' que contou com 6% dos votos graças à eleição, em Março, do cardeal argentino Jorge Bergolio para liderar a Igreja Católica. 
 
“Pós-troika” e “swap” contaram, cada uma, com 3% dos votos, enquanto que, “coadoção”, “corrida” e “piropo” se ficaram, apenas, pelos 2%. 
 
'Bombeiro' vem, assim, suceder a 'entroikado', eleita “palavra do ano” em 2012, e a 'austeridade', que foi a mais votada em 2011.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close