Mundo

Bisneta recebe carta de marinheiro escrita há 100 anos

No Reino Unido, uma carta escrita por um marinheiro britânico, há cerca de cem anos, em plena I Guerra Mundial, chegou recentemente às mãos da bisneta, na Escócia.
Versão para impressão
No Reino Unido, uma carta escrita por um marinheiro britânico, há cerca de cem anos, em plena I Guerra Mundial, chegou recentemente às mãos da bisneta, na Escócia.
 
A missiva tinha como destinatários os pais do autor, David John Phillips, que trabalhou na reparação de barcos nas ilhas Orkney, durante o conflito militar entre 1914 e 1918. Em 1980, eis que a mensagem – assinada com a frase 'Do vosso rapaz de jaqueta azul' – é encontrada escondida atrás de uma lareira de uma casa em Kirkwall, Orkney, no norte da Escócia, que pertenceu ao marinheiro e à sua mulher, Catherine Johnston.

Há cerca de um ano, quase um século depois desde que foi escrita, a mesma foi entregue à biblioteca local. Determinados a descobrir o autor da carta, os responsáveis pela instituição lançaram um apelo no seu blogue online, juntamente com uma imagem do texto centenário. 

A procura só chegou ao fim do outro lado do Atlântico, quando, no Canadá, um familiar distante suspeitou que a carta fosse da autoria de David John Phillips, de Llanelli, South Wales, para onde o marinheiro se mudou, no fim da Grande Guerra, e teve dois filhos. Entrou em contacto com a bisneta do marinheiro, Mary Hodge, em Chester, que entrou em contacto com a biblioteca escocesa e pôde confirmar o escritor do texto como sendo o seu bisavô.
 
“Desde que partilhei o meu passado com este meu amigo do Canadá que ele vai mantendo um olho entre cá e lá”, conta Mary Jane, citada pelo Daily Mail. “Quando soube do que se estava a passar na Biblioteca e Arquivo Municipal de Orkney,ligou-me e disse-me para entrar em contacto com eles, porque tinha visto um 'post' no blogue deles e tinha a certeza que era sobre o meu bisavô”.

Assim que viu a imagem partilhada na página da Internet da instituição, Mary conseguiu desde logo identificar o seu bisavô pelo nome e endereço indicados. “Foi uma mistura de grande emoção, choque e incredibilidade”, revela a bisneta de David. 
 
A mulher planeia, agora, viajar até Orkney para receber a carta endereçada aos seus trisavós. “Ainda bem que a Internet existe. Se não fosse isso, é provável que esta carta nunca me tivesse chegado às mãos. E é tão bom poder ter um bocadinho do meu querido bisavô ao fim deste tempo todo…”, refere a norte-americana. 

Notícia sugerida por Vítor Fernandes e Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close