Ambiente

Biólogos seguem tartarugas devolvidas ao mar

No âmbito do projeto "Regresso Adiado" do Zoomarine de Albufeira, três tartarugas alojadas em cativeiro foram devolvidas à Natureza, em setembro de 2009. Os biólogos têm acompanhado o percurso e o comportamento de Calantha, Tartaruga e Cat no meio se
Versão para impressão
No âmbito do projeto “Regresso Adiado” do Zoomarine de Albufeira, três
tartarugas alojadas em cativeiro foram devolvidas à Natureza, em
setembro de 2009. Os biólogos têm acompanhado o percurso e o
comportamento de Calantha, Tartaruga e Cat no meio selvagem. Os
resultados mostram que os animais mantidos em cativeiro durante muito
tempo conseguem adaptar-se à Natureza como se nunca de lá tivessem
saído.

Um transmissor de satélite, uma anilha e um microchip constituem a única bagagem que as três espécies de tartaruga levaram consigo no regresso ao alto mar. Apenas assim é possível localizá-las e saber a que velocidade nadam, explica Élio Vicente, biólogo do Zoomarine, à agência Lusa.

Calantha, a tartaruga mais velha e pesada, com 40 anos e 130 quilos, dirige-se ao golfo do México e espera-se que alcance as Caraíbas em seis meses; a Tartaruga encontra-se na Mauritânia e Cat, a mais jovem, partiu em direção ao Brasil.

Se o comportamento das duas primeiras no meio selvagem gerava grandes expectativas por terem vivido praticamente toda a vida em cativeiro, Cat foi a que mais surpreendeu: com um das barbatanas amputada por causa da mordedura de um tubarão, “atravessou o Atlântico quase sem hesitar, em linha reta até ao Brasil”. A jovem tartaruga nadou oito mil quilómetros em 175 dias, quase o dobro da distância percorrida pelas companheiras, referiu Élio Vicente.

No entanto, o transmissor de satélite acoplado à carapaça de Cat deixou de emitir sinal há duas semanas. Os biólogos desconhecem se o dispositivo caiu ou se a tartaruga morreu.

Ainda assim, os sinais dos transmissores – que apenas funcionam fora de água, altura em que localizam os satélites – devem manter-se ativos por mais um ano. Emitidos para um sistema internacional, permitem criar mapas disponíveis online.

Para Élio Vicente, o projeto prova que é possível devolver animais que estiveram tanto tempo em cativeiro à natureza, onde se comportam como se tivessem vivido lá desde sempre.

Por isso, o Zoomarine pretende alargar a iniciativa a outras espécies, mas o elevado valor de investimento – mais de 15 mil euros – é um dos obstáculos.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close