Ciência

Biologia: Investigadora portuguesa premiada nos EUA

A investigadora portuguesa Mónica Bettencourt-Dias, do grupo de Regulação do Ciclo Celular do Instituto Gulbenkian de Ciência, acaba de ser premiada pela Sociedade Americana de Biologia Celular (ASCB).
Versão para impressão
A investigadora portuguesa Mónica Bettencourt-Dias, do grupo de Regulação do Ciclo Celular do Instituto Gulbenkian de Ciência, acaba de ser premiada pela Sociedade Americana de Biologia Celular (ASCB). A cientista recebeu a bolsa “Keith R. Porter” atribuída anualmente pela ASCB, que reconhece a excelência do trabalho de um biólogo celular no início ou meio da sua carreira científica. 
 
A bolsa em questão, no valor de 5.000 dólares (cerca de 3.771 euros) distingue o trabalho de laboratório de Mónica Bettencourt-Dias focado no estudo da multiplicação e movimento das células, que tem ajudado a explicar como é formado o “esqueleto” das células e, em particular, qual é o papel dos centrossomas, pequenas estruturas celulares.
 
De acordo com um comunicado da Fundação Calouste Gulbenkian, os centrossomas ajudam as células a multiplicarem-se e a moverem-se, sendo que as alterações nestas estruturas estão associadas a doenças como o cancro e a infertilidade, o que coloca em evidência a sua importância.
 
“É uma honra receber um prémio com o nome do cientista [Keith R. Porter] que descobriu as estruturas com que trabalhamos. Não sendo norte-americana nem trabalhando lá, é uma honra ter o nosso trabalho reconhecido pela comunidade científica dos EUA”, confessou a investigadora.
 
“É um prémio muito prestigiante, tendo sido antes atribuído a cientistas que admiro imenso. Recebi um e-mail a dizer que tinha havido uma nomeação e uma votação. Não fazia a mínima ideia. Foi uma surpresa muito simpática antes do Natal”, destacou Mónica Bettencourt-Dias, cujo prémio foi dado a conhecer em Dezembro durante a conferência anual da ASCB, em São Francisco, nos EUA.

Laboratório já recebeu vários prémios europeus

 
Mónica Bettencourt-Dias, de 39 anos, lidera o laboratório de Regulação do Ciclo Celular do Instituto Gulbenkian de Ciência (ICG), em Oeiras. A investigadora é licenciada em Bioquímica pela Universidade de Lisboa e doutorou-se em Regeneração Cardíaca na University College London, no Reino Unido.
 
De salientar que o seu laboratório já foi reconhecido com vários prémios europeus para jovens cientistas, como o da Eppendorf (2007), o da Organização Europeia de Biologia Molecular (EMBO-2009) e o do Conselho Europeu de Investigação (ERC-2010). Este ano venceu também o Prémio Pfizer de Investigação Básica, mas foi a primeira vez que foi distinguida nos EUA.
 
A bolsa que agora lhe foi atribuída, e que poderá ser utilizada a partir de Janeiro de 2013, promove a comunicação e a educação de jovens cientistas na área da biologia celular, permitindo organizar atividades educativas ligadas a esse campo, fornecendo, por exemplo, o apoio financeiro necessário à realização de uma conferência.
 
Além da biologia celular, Mónica Bettencourt-Dias tem também dado atenção à comunicação de ciência, tendo realizado um curso de dois anos em Inglaterra e organizado até ao momento várias atividades para promoção dessa área.
 
[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close