Ciência

Biologia: Investigação lusa é capa de revista alemã

Um estudo da bióloga portuguesa Tânia Barros vem comprovar que o mamífero sacarrabos chegou a Portugal há dezenas de milhares de anos, quando a Península Ibérica ainda estava ligada ao continente africano.
Versão para impressão
Um estudo da bióloga portuguesa Tânia Barros vem comprovar que o mamífero sacarrabos chegou a Portugal há dezenas de milhares de anos, quando a Península Ibérica ainda estava ligada ao continente africano. Até há pouco tempo, pensava-se que este animal tinha chegado a Portugal pela mão dos árabes. 
 
Já se sabia que o sacarrabos não foi trazido pelos árabes para a Península Ibérica e expandiu-se a partir da população do norte de África, mas um estudo genético da Universidade de Aveiro (UA) agora publicado comprova e explica geneticamente a origem da expansão. 
 
O estudo foi realizado a partir de uma tese de doutoramento defendida na UA, com base na análise de ADN mitocondrial, e mereceu destaque na revista científica “Mammalian Biology”.

A ocorrência de sacarrabos na zona norte do país e não apenas na região sul, como acontecia há algumas décadas, tem vindo a suscitar a curiosidade dos investigadores de ecologia animal sobre esta espécie que existe em África, no Médio Oriente e que, na Europa, só existe na Península Ibérica (ver mapa – mancha verde e vermelha assinalam zonas com sacarrabos). 
 
Egyptian Mongoose area.pngNesse sentido, investigadores da UA procederam ao estudo da genética populacional do sacarrabos de forma a clarificar, em termos evolutivos, quais as consequências dessa expansão.

Já eram conhecidos estudos que mostravam a origem norte-africana do sacarrabos ibérico e que não seria possível a espécie existir na Península apenas a partir do período da presença árabe. Mas o trabalho agora publicado na “Mammalian Biology” que mereceu fotografia de capa e teve por base a tese de doutoramento de Tânia Barros permitiu relacionar os padrões genéticos da espécie com a sua expansão na Península Ibérica.

Demonstrou-se, explica Tânia Barros num comunicado de imprensa da UA, que “a recente expansão do sacarrabos moldou os próprios padrões genéticos da espécie em Portugal, revelando que a população de sacarrabos do sul apresenta uma maior diversidade genética, resultados estes que correspondem a uma presença mais prolongada nessa zona de Portugal”. 

Os investigadores perceberam que a “espécie permaneceu durante um largo período de tempo na região sul da Península Ibérica, o que permitiu o aparecimento de nova informação genética nessa população, levando ao aumento da diversidade”.

Contrariamente, as populações de sacarrabos amostradas nas áreas do centro e norte do país – que correspondem a áreas recentemente colonizadas pela espécie – apresentam uma menor diversidade genética, panorama consentâneo com o padrão da expansão conhecida desta população.

Travessia aconteceu há dezenas de milhar de anos
 

Tânia Barros estou a diversidade genética e a expansão do sacarrabos na Península

Adicionalmente, afirma ainda a investigadora, os resultados provenientes das análises genéticas demonstraram que a dispersão da espécie para zonas do centro e norte do país ocorreu a partir de várias “subpopulações-fonte” distribuídas pelo sul do território nacional, levando os investigadores a concluírem que, provavelmente, existem várias rotas de expansão da espécie, através das quais o sacarrabos colonizou os territórios do centro e do norte do país.
 
O sacarrabos, defende Tânia Barros (na foto) com base em estudos anteriores, terá passado do norte de África para a Península Ibérica durante um período da história da Terra em que a distância entre os dois territórios e o nível da água o permitia. Ou seja, durante o Pleistoceno Médio e o Pleistoceno Superior, de 2,5 milhões a 11,5 mil anos atrás, em que se sucederam várias glaciações.
 
A expansão na Península, nomeadamente em Portugal, terá sido favorecida, acrescenta ainda a recém-doutorada da UA, pelas alterações climáticas, pelo abandono da atividade agrícola em certas zonas, com a consequente expansão do matagal. A taxa de reprodução elevada e uma alimentação variada, embora se saiba que o coelho tem um papel importante na dieta, também contribuem para o alargamento do padrão de distribuição geográfica da espécie.
 
Parceria nacional e internacional
 
O estudo intitulado “Mitochondrial demographic history of the Egyptian mongoose (Herpestes ichneumon), an expanding carnivore in the Iberian Peninsula” foi realizado com o contributo de várias entidades e decorreu no âmbito das atividades do Centro de Estudos do Ambiente e do Mar (CESAM), laboratório associado, e do Departamento de Biologia da UA. Nele participaram também investigadores das universidades de Montpellier e de Évora.

A tese de doutoramento de Tânia Barros, “Molecular ecology of the Egyptian mongoose (Herpestes ichneumon) in Portugal: Understanding establishment and ongoing processes of a successful carnivore”, na base deste estudo, foi defendida no final do ano passado.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close