Ciência

Bebés recordam palavras que ouviram ainda no útero

Os bebés são capazes de memorizar as palavras que ouvem frequentemente quando estão ainda no útero da mãe. A conclusão é de um novo estudo finlandês, que sugere a importância de falar "com a barriga" durante a gravidez.
Versão para impressão
Os bebés são capazes de memorizar as palavras que ouvem frequentemente quando estão ainda no útero da mãe e de reconhecê-las depois de nascer. A conclusão é de um novo estudo finlandês, que sugere a importância de falar “com a barriga” durante a gravidez e mostra a forma como o cérebro em formação se adapta ao som antes do nascimento.
 
“Acreditamos que este estudo demonstra o sucesso com que o cérebro em desenvolvimento se adapta ao som. É um sinal de que a aprendizagem da linguagem ou a adaptação [dos bebés] àquilo que ouvem acontece muito cedo”, explica Minna Huotilainen, professora do Finnish Center of Excellence in Interdisciplinary Music Research da Universidade de Helsínquia.
 
Citada pela imprensa internacional, a investigadora, co-autora do estudo publicado recentemente na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, garante que “um recém-nascido não é uma tela em branco, tendo já aprendido a forma como a mãe e outros membros da família falam”. 
 
Embora a ideia de que os bebés conseguem recordar sons que ouviram ainda no útero seja impressionante, em especial se se considerar que os seus cérebros ainda estão a formar as ligações que permitem o processamento de quaisquer informações, os cientistas obtiveram sinais de que tal acontece efetivamente.
 
“Há evidências de que os fetos conseguem aprender e de que os bebés conseguem lembrar canções ou excertos de um texto ouvidos durante o período fetal”, acrescenta Houtilainen. 

Investigadores aconselham mães a falar com os bebés
 

Para chegar a estas conclusões, os especialistas finlandeses testaram a memória de 33 fetos, expondo-os à palavra “tatata”, que, embora não exista, obedece às regras da língua finlandesa. “É uma das chamadas 'pseudopalavras'. Tem três sílabas e decidimos escolhê-la por ser longa e, consequentemente, desafiante para os pequenos cérebros”, esclarece. 
 
A partir da 29ª semana de gravidez e até ao nascimento, cerca de metade das 33 grávidas que participaram no estudo ouviu a palavra gravada centenas de vezes, algumas das quais com uma pronúncia diferente ou com variações nas sílabas (por exemplo, “tatota” em vez de “tatata”). 
 
Depois do nascimento, os investigadores analisaram a atividade no cérebro de todos os bebés quando estes ouviam a referida palavra. Aqueles que já a tinham ouvido no útero “mostraram uma reação melhorada àquela palavra em específico”, bem como “mais facilidade em processá-la e em detetar as mudanças nas sílabas”, aponta Houtilainen. 
 
De acordo com a docente finlandesa, o tipo de aprendizagem revelado pelo estudo acontece, provavelmente, nos últimos estágios da gravidez, apesar de este aspeto estar ainda por estudar. 
 
Segundo Houtilainen, esta é uma informação que pode ser importante para os pais. “É preciso que estejam atentos ao facto de que o feto consegue ouvir o que se passa no mundo exterior e aprender a partir daquilo que ouve. Falem durante a gravidez, quer com outras pessoas, quer com o bebé”, aconselha a investigadora às futuras mães. 

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close