Ciência

Bebés de meses já têm perceção do bem e do mal

NULL
Versão para impressão
Bebés com apenas alguns meses de idade já demonstram sentido de justiça social. É esta a conclusão de um estudo publicado na revista Proceedings of The National Academy of Sciences (PNAS) e realizado pela University of British Columbia em parceria com a Yale University e a Temple University, nos EUA.
 
Os cientistas envolvidos na pesquisa afirmam que logo desde os cinco meses as crianças gostam de ver comportamentos maldosos serem punidos e condutas positivas serem premiadas.

Este facto sugere que a perceção do bem e do mal não é, pelo menos totalmente, aprendida, sendo inerente à nossa própria construção enquanto seres humanos.
 

A equipa de investigadores trabalhou com 100 bebés de três faixas etárias diferentes: cinco meses, oito meses e 19 ou mais meses. O comportamento das crianças foi analisado tendo estas sido colocadas numa situação em que marionetas, durante uma peça, se tratavam bem e mal entre si.
 
Numa das cenas, explica o diário britânico Daily Mail, um elefante de peluche ajudava um pato a abrir uma caixa, enquanto outro fechava a tampa para o impedir. Depois, dois alces entravam no espetáculo. Um parabenizava e outro repreendia os elefantes consoante o seu comportamento, oferecendo-lhes uma bola ou afastando-a deles.
 
No final da peça, os bebés eram convidados a escolher um dos alces de peluche: o que puniu o elefante mau ou o que parabenizou o bom. O exercício evidenciou que as crianças tinham preferência pelo alce que castigou o companheiro mal comportado.
 
Kiley Hamlin, professora de Psicologia que liderou o estudo, explicou que, apesar de tão jovens, os bebés mostram ter desenvolvido sentido de justiça e noção do que é certo e errado. 
 
“Algures entre os cinco e os oito meses, as crianças ganham uma perceção mais clara e a capacidade de interpretar circunstâncias. É difícil argumentar que sejam os pais a ensiná-los que os maus comportamentos devem ser punidos nessa idade”, afirmou Hamlin.
 
Segundo a especialista, “se os bebés o aprendem, estão a fazê-lo por si próprios, autonomamente, o que indica que existirá uma espécie de sistema inato que propicie essa aprendizagem”.

Veja abaixo as várias fases da experiência: 

 


Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na PNAS.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close