Mundo

Bebé sobrevive 251 dias ligado a coração artificial

Um menino britânico de apenas três anos manteve-se vivo graças a um coração artificial durante mais de oito meses. Depois de 251 dias, o transplante chegou.
Versão para impressão
Um menino britânico de apenas três anos manteve-se vivo graças a um coração artificial durante mais de oito meses, período de tempo considerado um recorde para uma criança no Reino Unido. Depois de 251 dias, o momento mais desejado chegou: o pequeno Joe Skerratt foi submetido a um transplante de coração bem-sucedido.
 
Quando Joe tinha três semanas de vida, os médicos diagnosticaram-no com cardiomiopatia dilatada, uma condição que faz com que o coração tenha dificuldades em bombear o sangue pelo corpo.

Um raio-x realizado na época mostrou que o órgão vital do bebé tinha um tamanho muito superior ao normal, o que permitiu aos especialistas identificar o problema: a criança sofria de síndrome de Barth, uma doença genética que provoca fraqueza muscular, baixa estatura e dificuldades de alimentação.

 
Em Dezembro de 2010, o coração de Joe começou a falhar: as válvulas não funcionavam e o órgão cresceu ainda mais, ocupando demasiado espaço no peito do menino.

Em consequência do agravamento do estado de saúde e de três paragens cardíacas, o transplante surgiu como a única hipótese viável. A equipa do hospital londrino Great Ormond Street decidiu, então, ligar o bebé ao “Berlin Heart”, um coração artificial de dimensões reduzidas que transporta o sangue pelo corpo, até que fosse encontrado um dador compatível.

 
Nesse momento abriu-se a porta a uma longa espera. Embora algumas crianças fiquem ligadas ao aparelho durante poucas semanas, existem casos em que é necessário aguardar meses, como aconteceu com Joe.

251 dias de espera(nça)

“Quando ele ultrapassou a marca dos 200 dias ligado ao coração artificial, começámos a perguntar-nos o que poderia ser feito caso não conseguíssemos um dador. Mas, no fundo, sabíamos que não havia muito a ser feito”, confessou a mãe, Rachel Skerratt, à BBC.

 
Porém, no 251º dia, a sorte da família mudou. “Recebemos o telefonema que esperávamos. Havia um coração”, contou Rachel. Após a cirurgia, o peito de Joe manteve-se aberto durante quatro dias, permitindo aos pais ver o seu novo coração a bater. “Ver o órgão, de tamanho normal, a bater no peito do nosso filho, foi incrível”, relembrou a progenitora.
 
O transplante foi realizado o ano passado e, desde então, Joe tem tido uma excelente recuperação. “Estamos muito felizes com o facto de ele estar tão bem depois de passar tanto tempo connosco no hospital”, salientou Alessandro Giardini, cardiologista pediátrico que o acompanhou.
 
Rachel, que na primeira noite após a alta do hospital decidiu celebrar com Joe deixando-o comer pizza, a sua refeição favorita, confessou ainda a eterna gratidão para com a família do dador. “Não podemos imaginar [a dor] pela qual eles passaram, mas a sua generosidade durante um momento tão horrível foi incrível”, concluiu.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close