Mundo

Base de dados mundial contra tráfico de seres humanos

NULL
Versão para impressão
A ONU criou um banco de dados de jurisprudência sobre o tráfico de seres humanos. O serviço disponibiliza, por enquanto, informação sobre 150 casos de tráfico humano conhecidos por todo o mundo e nos próximos meses pretende atualizar a base com informação sobre mais cem processos.

Este é mais um avanço na luta contra o tráfico de seres humanos, um fenómeno que o Gabinete das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) estima afetar mais de 2,4 milhões de pessoas em 127 países do mundo. Esta base de dados pretende ajudar os juízes, promotores, legisladores e investigadores, fornecendo informações sobre os casos reais.

Acedendo ao portal criado pela UNODC qualquer pessoa pode conhecer todos os pormenores documentados sobre cada caso. “O banco de dados contém detalhes sobre a nacionalidade das vítimas e perpetradores, as rotas de tráfico, as sentenças e outras informações relacionadas aos casos. Dessa forma, o banco de dados oferece, não só, meras estatísticas sobre o número de acusações e condenações, mas também as histórias da vida real de vítimas do tráfico, conforme documentado pelos tribunais”, explica o site da ONU.

Tendo em conta que a falta de informação sobre os casos é, muitas vezes, um dos maiores problemas das autoridades esta pode vir a tornar-se uma ferramenta de elevado interesse no combate ao tráfico humano.

Esta terça-feira, 18 de Outubro, assinalou-se o Dia Europeu contra o Tráfico de Seres Humanos e Portugal não deixou passar ao lado a data. Em Coimbra realizou-se um colóquio sobre o assunto e foi assinado um importante protocolo entre o Observatório do Tráfico de Seres Humanos (OTSH) e várias entidades envolvidas na prevenção e combate ao problema, informa em comunicado o observatório.

Entre as entidades que estiveram presentes destacam-se os órgãos de política criminal (PJ, SEF, GNR e PSP), assim como instituições e entidades públicas e não-governamentais como: o Centro de Acolhimento e Proteção a vítimas de Tráfico de Seres Humanos e seus Filhos Menores; o ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural; a APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, o SJR – Serviço Jesuíta para os Refugiados, a UMAR- União Mulheres Alternativa e Resposta e a Agência Piaget para o Desenvolvimento entre outros.

“Este é mais um passo na aproximação de todas as entidades que trabalham neste campo, absolutamente fundamental para ajudar a conhecer este fenómeno e a única forma de o combater eficazmente”, termina o comunicado.

Para aceder à base de dados, clique aqui.  

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close