Mundo

“Banco de voz” ajuda doente neuromotor a comunicar

Após ter sido diagnosticado com uma doença neurodegenerativa irreversível, o britânico Laurence Brewer, de 43 anos, recorre a um sintetizador de voz para gravar mais de mil frases e expressões, de modo a comunicar com o filho mesmo quando a doença o
Versão para impressão
[Fotografia: © Press Association]

Após ter sido diagnosticado com uma doença neurodegenerativa irreversível, o britânico Laurence Brewer, de 43 anos, recorre a um sintetizador de voz para gravar mais de mil frases e expressões, de modo a comunicar com o filho mesmo quando a doença o impedir de falar.

São vários os pacientes que utilizam sintetizadores com vozes pré-gravadas. Contudo, o programa a que Laurence recorre permite-lhe usar a própria fala e desconstrói automaticamente as suas frases para formar novas orações.

O britânico espera que esta funcionalidade lhe ofereça a possibilidade de poder ler histórias ao seu filho – atualmente com um ano -, mesmo quando já não tiver voz.

“‘Se eu perder a voz nos próximos seis meses, o meu filho pode nem sequer reconhecer a minha voz, por isso, daqui a cinco anos, com a minha voz gravada, ele pode ter uma ideia de como soa a minha fala. É a criação de uma memória”, explica Brewer ao jornal Telegraph.

A doença neuromotora é progressiva e leva ao desgaste dos músculos, à perda da mobilidade e a dificuldades na fala, deglutição e respiração.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close