Inovação e Tecnologia

Avião sem piloto percorre 800km de voo com sucesso

Um avião de passageiros sem piloto, controlado remotamente a partir do solo, completou, com sucesso, um percurso aéreo de 800 quilómetros. O voo decorreu no âmbito de uma série de testes da multinacional inglesa BAE Systems.
Versão para impressão
Um avião de passageiros sem piloto, controlado remotamente a partir do solo, completou, com sucesso, um percurso aéreo de 800 quilómetros. O voo decorreu no âmbito de uma série de testes que estão a ser desenvolvidos pela multinacional inglesa BAE Systems, que pretende apurar a eficácia de tecnologia capaz de fazer com que uma aeronave convencional possa voar em segurança de forma autónoma.
 
A empresa conduziu um teste no espaço aéreo partilhado do Reino Unido – ou seja, o avião voou em simultâneo com outras aeronaves comerciais que se encontravam nas suas rotas normais – em Abril deste ano, mas só agora os detalhes foram revelados.
 
O voo, que uniu Warton, em Lancashire (inglaterra), a Inverness, na Escócia, está a ser considerado pelos membros da ASTRAEA, consórcio britânico cujo propósito é criar tecnologia que permita aos aviões civis partilhar o espaço aéreo com 'drones', como um marco na história da aviação.
 
O avião, um Jetstream 31 de 19 lugares, levantou voo com um piloto e vários engenheiros a bordo mas, depois de se encontrar estabilizado no ar, o controlo passou para um piloto que se encontrava em terra até ao momento da aterragem. Além de voar em piloto automático, a aeronave testou, com sucesso, uma tecnologia que lhe permite identificar outros aviões próximos para evitar colisões e manter a distância de segurança. 
 
Michael Fallon, ministro britânico dos negócios e da energia, congratulou-se com os resultados da experiência, que se estendeu ao longo dos últimos meses. “[O programa] ASTRAEA fez progressos significativos, colocando a indústria do Reino Unido numa boa posição a nível global no que toca aos aviões não tripulados e ao desenvolvimento de diretivas para o seu uso civil”, salientou, em comunicado
 
Os testes realizados desde Maio do ano passado foram o culminar de uma investigação de sete anos que, segundo os responsáveis do programa, se revestiu de caraterísticas únicas, por analisar a partilha do espaço aéreo entre aviões tripulados e não tripulados “de uma forma integrada, olhando para o lado humano da equação (desde a legislação ao controlo operacional) e não apenas para os desafios técnicos”. 

Clique AQUI para saber mais sobre este programa (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close