i9magazine

Atuação do Observatório Panorama e-learning

Versão para impressão

Publicou a primeira carta da qualidade para o e-learning em Portugal, envolvendo profissionais e organizações num processo de inovação aberta, disponibilizando à sociedade um instrumento flexível e adaptável para empresas e universidades (ver mais www.panoramaelearning.pt).  Focado no ensino superior entre 2015 e 2016, o observatório tem analisado a evolução do setor.

O boom MOOC (Massive open online courses) gerou grandes ondas de mudança no mundo educativo, acabando por chegar a Portugal sob a forma de iniciativas universitárias e empresariais renovando o velho e-learning. A oferta de cursos online em plataformas e-learning multiplicou-se a partir de 2014. Os modelos de negócio diversificaram-se e vão desde a venda de e-book e materiais para autoestudo, aos cursos de especialização moderados por formadores e tutores.

As Instituições de Ensino Superior de base presencial, usam as plataformas e-learning para cursos de formação contínua online (ver o Projeto de Ensino a Distância da Universidade do Minho http://cursosonline.uminho.pt), continuando a usar as plataformas como repositórios de materiais educativos para ofertas conferentes de grau (complemento a aulas). Há crescente oferta de cursos de especialização e mestrado em b-learning. Os MOOC também já “contaminaram” as Universidades Portuguesas, a Aberta, Coimbra, os Politécnicos do Porto e de Leiria, o Instituto Superior Técnico, a Universidade do Porto (ver mais em https://elearning.up.pt/mooc/).

Há iniciativas coletivas que visam a internacionalização através do ensino a distância, que fazem adivinhar saltos mais rápidos até 2020. É o caso da Universidade de Coimbra que com a Universidade Aberta fez uma parceria para oferta de cursos a distância ao nível de licenciatura, mestrado e doutoramento, ou o caso do Consórcio UNorte.pt criado pelas Universidades do Porto (UPorto), do Minho (UMinho) e de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) num trabalho estratégico articulado que inclui uma aposta clara no domínio do ensino a distância.

Ao nível do Superior deve sublinhar-se no entanto, que a inexistência de legislação específica, que enquadre o ensino a distância, tem travado o seu desenvolvimento nas ofertas conferentes de grau, sendo um espartilho ao desenvolvimento e à Internacionalização das Universidades.

O panorama da tecnologia educativa é animador, os dispositivos de acesso à internet têm cada vez mais autonomia, atingiu-se um grau de maturidade das tecnologias e das pedagogias, há largura de banda, recorre-se ao visual, ao vídeo, ao áudio, ao professor no tempo real e diferido. O mercado de aplicações inteligentes cresce (e desaparece, ver http://teachonline.ca/tools-trends/exploring-future-education/uber-u-already-here),  há modelos de negócio cada vez mais inovadores. Vêm aí tempos vibrantes que exigem profissionais e-learning ágeis e eficientes.

Os cursos online são sujeitos à lei da oferta e da procura, a regulação é pouco evidente, pelo que a qualidade da oferta e da marca são fatores distintivos. Nas grandes empresas Portuguesas recorre-se ao e-learning para formar rapidamente grande quantidade de pessoas dispersas pelo mundo, seja através de materiais formativos disponíveis em intranet, ou através de webinars, salas virtuais, whatsapp, etc.

O conteúdo Atuação do Observatório Panorama e-learning aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close