Ambiente

Atlântico: 1ª rede de áreas protegidas no alto mar

Quinze países europeus concordaram na criação de seis zonas livres de pesca no Oceano Atlântico. Esta é a primeira rede de áreas protegidas marinhas no alto mar, fora do controlo de governos únicos, conforme avança a Reuters.

Versão para impressão
Quinze países europeus concordaram na criação de seis zonas livres de pesca no Oceano Atlântico. Esta é a primeira rede de áreas protegidas marinhas no alto mar, fora do controlo de governos únicos, conforme avança a Reuters.

Os ministros de ambiente dos 15 países esperam agora obter o reconhecimento das seis áreas pelas Nações Unidas, EUA e Canadá, no outro lado do Atlântico.

“É um passo histórico”, afirma o ministro do ambiente norueguês Erik Solheim. “Iremos tentar inspirar outras nações a fazer o mesmo no oceano Índico, Pacífico e outros”, garante.

“Vai dar outro nível de proteção às espécies que vivem no meio do Atlântico”, indicou o mesmo responsável referindo-se a espécies como baleias, tubarões, raias, e corais de água fria.

As seis zonas cobrem um total de 285 mil quilómetros, uma área equivalente ao tamanho de Itália, situados maioritariamente a norte dos Açores e a oeste de Irlanda.

A única outra área marinha protegida em alto mar fica a 80 mil quilómetros da Antárctida a que junta agora esta rede pioneira.

O secretário de estado do ambiente português Humberto Rosa mencionou que “somos um país muito dependente da pesca” mas acredita que “as áreas marinhas protegidas serão benéficas” para a atividade.

A Islândia foi um dos países que rejeitou aderir a esta rede. “Estamos contentes por ter seis áreas marinhas protegidas livres de jurisdições nacionais” afirma Stefan Lutter do grupo WWF – World Wildlife Fund, realçando o seu desapontamento pela zona da Islândia ter sido deixada de fora.

Os 15 países  que tomaram a decisão reunidos em Bergen – Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Islândia, Irlanda, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça, Reino Unido e União Europeia – informaram que pretendem rever as regras para novas licenças de exploração de petróleo e gás natural a grandes profundidades.

A proteção implicará proibições à pesca, exploração petrolífera no fundo do mar e possíveis restrições à circulação de navios.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close