Sociedade

Atendimento: portugueses são dos que esperam menos

Os portugueses ficam seis a sete minutos nas filas de espera para atendimento de serviços, um tempo melhor que a média de 24 países europeus, de 10 minutos, e que satisfaz a maior parte dos consumidores, concluiu um estudo divulgado esta sexta-feira.
Versão para impressão
Os portugueses ficam seis a sete minutos nas filas de espera para atendimento de serviços, um tempo melhor que a média de 24 países europeus, de 10 minutos, e que satisfaz a maior parte dos consumidores, concluiu um estudo divulgado esta sexta-feira. O estudo revela ainda que Portugal é dos países com funcionários mais simpáticos.

O trabalho realizado pela Mystery Shopping Providers Association (MSPA), organização que reúne especialistas na metodologia de “cliente mistério”, teve a participação da consultora portuguesa Pentaudis e revela que Portugal é um dos países com empregados mais sorridentes.

O diretor geral da Pentaudis, Luís Duarte, explicou à agência Lusa que, relativamente ao tempo na fila de espera, “Portugal, nos 24 países, situa-se a meio da tabela, no 12º lugar, sendo a Rússia o último” e partilhando Dinamarca, Suécia, Inglaterra e Espanha o primeiro lugar.

O tempo médio de atendimento em Portugal é de seis a sete minutos, o dobro dos três minutos dos países do norte da Europa e de Espanha, enquanto na Rússia é de 25 minutos, especificou.

Entre os 11 setores analisados, o melhor desempenho é apresentado por “farmácias, setor da moda, supermercados e garrafeiras”, com um tempo médio de espera de dois a quatro minutos. Ao contrário, nos correios e na banca os clientes têm de aguardar cerca de 20 minutos para serem atendidos.

“A insatisfação média nestes países é de 30 por cento e Portugal tem um nível de 10 por cento o que é bom” já que implica um grau de satisfação de 90 por cento, realçou Luís Duarte.

Terceiro lugar em simpatia

Assim, apesar de estar a meio da tabela no tempo de espera, Portugal tem muitos consumidores satisfeitos e está mesmo em terceiro lugar no que respeita a simpatia dos funcionários.

“Temos um dado que não é positivo. Na média dos 24 países, de 2008 para 2010, o tempo médio subiu de cinco minutos para acima de nove minutos” o que pode dever-se à “redução de recursos humanos, acima do que os níveis de vendas sugeriam ser ideal, a processos mal desenhados ou a desempenhos que não tão bons como o esperado”, relatou o responsável.

As empresas são aconselhadas a repensar as estratégias de redução de custos “para garantir que as mesmas não comprometerão a qualidade do atendimento prestado, conduzindo à perda de clientes”.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close