Ciência

Astrónomos captam luz das primeiras estrelas

Um grupo internacional de astrónomos conseguiu captar a luz das primeiras estrelas do Universo. Graças à ajuda do telescópio Fermi, da NASA, a equipa sabe agora que as estrelas surgiram pelo menos 500 milhões de anos após o Big Bang.
Versão para impressão
Um grupo internacional de astrónomos conseguiu captar a luz das primeiras estrelas do Universo. Graças à análise de dados enviados pelo telescópio espacial de raios gama Fermi, da NASA, a equipa sabe agora que as estrelas surgiram no cosmos pelo menos 500 milhões de anos após o Big Bang, que aconteceu à cerca de 13,7 mil milhões de anos.
 
“Ainda não conseguimos estabelecer quando as primeiras estrelas começaram a brilhar, mas detetámos a época da vida do nosso Universo em que isso aconteceu”, explica Marco Allejo, astrofísico da Universidade de Stanford e co-autor do estudo publicado na Science, num comunicado emitido pela agência espacial norte-americana.
 
De acordo com os cientistas, a descoberta permite ainda impor um limite máximo e mínimo na quantidade de luz presente no Universo há 500 milhões de anos e, consequentemente, estimar o tamanho e número das primeiras estrelas, sendo que, adianta a equipa, a “população estelar” dos primórdios do cosmos era muito pequena.
 
“A luz ótica e ultravioleta das estrelas continua a viajar através do Universo mesmo depois de elas pararem de brilhar, o que cria uma espécie de campo de radiação fóssil”, acrescenta Alejo, salientando que o brilho transporta informação preciosa sobre a origem estelar.

Descoberta faz parte de um esforço concertado e global

 
Para medir a luz, a equipa que trabalhou com o telescópio Fermi estudou blazares – antigos corpos celestes associados a buracos negros que parecem ser superbrilhantes pelo facto de estes últimos dispararem “jactos” de energia diretamente para a Terra. Estes jatos, os raios gama, brilham através do “nevoeiro” cósmico, o que lhes permite sobressair, esclareceram os astrónomos. 
 
O novo estudo faz parte de um esforço científico concertado e global e, segundo Avi Loeb, chefe do departamento de astronomia da Universidade de Harvard, o novo estudo traz uma abordagem “inovadora” e “convincente”.
 
Para Loeb, este trabalho enriquece as evidências de que, pouco depois da sua formação, o universo era pobre em estrelas. “Sabemos, a partir de observações diretas de galáxias, que só menos de 1% de todas as estrelas que existem atualmente no Universo se formaram nos primeiros mil milhões de anos após o Big Bang”, concluiu.
 
[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close