Sociedade

Associação recupera história e cultura das aldeias

Dinamizar e salvaguardar o património histórico-cultural das aldeias portuguesas de maneira a repovoar as terras é o objetivo da nova associação Aldeias Históricas de Portugal - Associação de Defesa, Reabilitação e Salvaguarda do Património
Versão para impressão
[Fotografia: Castelo Rodrigo]

Dinamizar e salvaguardar o património histórico-cultural das aldeias portuguesas de maneira a repovoar as terras é o objetivo da nova associação Aldeias Históricas de Portugal – Associação de Defesa, Reabilitação e Salvaguarda do Património, criada em finais de novembro na histórica vila da Batalha.

A coordenadora do projeto e técnica superior do IGESPAR, Isabel da Veiga Cabral, explicou no lançamento da AHP que a nova associação quer contribuir para a preservação do património rico que cada aldeia encerra. Por isso, considerando que a aldeia de Monsanto da Beira está classificada como a “Aldeia Mais Portuguesa”, a associação toma Monsanto como exemplo.

A prioridade da nova associação é “desenvolver para cada aldeia uma estratégia de desenvolvimento cultural e histórico integrado, de maneira a que a população local permaneça e que novas pessoas lá se fixem”, explica Isabel da Veiga Cabral ao Boas Notícias.

A responsável sublinha que para devolver as pessoas às aldeias não basta “recuperar o património”. “Nos anos 90, com o dinheiro comunitário, vários projetos em Portugal recuperaram a parte arquitetónica das aldeias históricas mas as terras continuam vazias”, explica.

Assim, a AHP quer combater o despovoamento apostando “não só no turismo mas também nas acessibilidades, na ligação às cidades mais próximas e na conservação das tradições culturais de cada local”, salienta.

Para isso a AHP vai promover ações de formação – aceitando colaboração com entidades públicas ou privadas, nacionais e internacionais – e também criar centros de formação e instituições de ensino vocacionadas para a defesa, salvaguarda, restauro, reabilitação, gestão e revivificação do património cultural tangível e intangível.

Jorge Paiva (investigador bôtanico), Isabel Meirelles (especialista em assuntos europeus), SAR D. Duarte de Bragança, Luis Raposo, (diretor do Museu Nacional de Arqueologia) e o especialista em legislação do património Eduardo Vera Cruz Pinto, são alguns dos sócios patronos da nova associação.

Visite aqui o site da AHP – Associação de Defesa, Reabilitação e Salvaguarda do Património para saber mais sobre este novo projeto. O Facebook da associação também já está online aqui.

[Notícia corrigida a 14/12/2010, às 23:34]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close