Negócios e Empreendorismo

Assinado acordo para criar espaço aéreo ibérico

Portugal e Espanha assinaram, recentemente, um acordo para a criação de um espaço aéreo ibérico, que permitirá aos aviões comerciais passarem por corredores mais eficientes, no âmbito do projeto "Céu Único Europeu".
Versão para impressão

Portugal e Espanha assinaram, recentemente, um acordo para a criação de um espaço aéreo ibérico, que permitirá aos aviões comerciais passarem por corredores mais eficientes, no âmbito do projeto “Céu Único Europeu”, poupando tempo, combustível e emissões de CO2, anunciou o Instituto Nacional de Aviação civil.
 
O acordo assinado, esta quinta-feira, dia 17 de maio, entre as entidades aeroportuárias portuguesa e espanhola para formar o Bloco de Espaço Aéreo Funcional do Sudoeste (SW FAB) foi impulsionado pelos ministros português da Economia e do Fomento espanhol.

O espaço aéreo ibérico, onde se registam cerca de 2,1 milhões de voos por ano, vem possibilitar as poupanças de combustível, tempo e emissões de CO2, uma vez que “permite traçar rotas mais diretas” para os “aviões passarem por corredores mais eficientes”, explicou à Lusa, fonte oficial do Ministério da Economia.

Para além da redução de custos em combustível, que por si só constitui a maior despesa dos voos comerciais, a criação do bloco ibérico contribui, também, para uma redução do preço dos bilhetes de viagem a pagar pelos consumidores, acrescentou a fonte citada pela Lusa.

“A criação do SW FAB é um momento histórico que trará benefícios e melhorias significativas para a navegação aérea entre os dois Estados em termos de segurança, capacidade, custo-eficiência e cooperação civil-militar”, adiantou o Instituto de Aviação Civil em comunicado.

“Céu Único Europeu”

O bloco ibérico fará parte dos nove que serão criados no “Céu Único Europeu”, projeto que a Comissão Europeia espera ter a operar em Dezembro deste ano e que permitirá uma poupança global de mil milhões de euros por ano.

“A atual estrutura do espaço aéreo europeu é fragmentada. Os FABs 1/8 blocos de espaço aéreo 3/8 são os instrumentos que deverão eliminar ou reduzir as ineficiências decorrentes desta fragmentação, que se estimam em cerca de 1.000 milhões de euros por ano”, refere o Instituto Nacional de Aviação Civil em comunicado.
 
Ainda de acordo com a Lusa, de fora do bloco português e espanhol fica o espaço aéreo de Santa Maria – o maior da Europa, já que chega até aos Estados Unidos – porque os organismos que estudaram o projeto não conseguiram comprovar a existência de benefícios em inclui-la, referiu a fonte do ministério.

O espaço aéreo de Santa Maria e um outro na Irlanda serão os dois únicos que deverão ficar excluídos do acordo europeu.

[Notícia sugerida por Elsa Martins]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close