Mundo

As melhores empresas para trabalhar

Cisco, Microsoft, Everis e Liberty Seguros são as quatro empresas nacionais selecionadas para o ranking das 100 Melhores Empresas Europeias, segundo o instituto  Great Place to Work que, em março, divulgou também a lista das 30 melhores empresas
Versão para impressão
Cisco, Microsoft, Everis e Liberty Seguros são as quatro empresas nacionais selecionadas para o ranking das 100 Melhores Empresas Europeias, segundo o instituto Great Place to Work que, em março, divulgou também a lista das 30 melhores empresas para trabalhar em Portugal. A Microsoft conquistou, pelo terceiro ano consecutivo, a primeira posição no ranking.

A nível nacional, na edição de 2010 da lista europeia, a Cisco e a Microsoft destacam-se entre as grandes empresas, enquanto a Everis e a Liberty Seguros se destacam no grupo de pequenas e médias empresas.

A nível europeu, a Microsoft conquistou, pelo terceiro ano consecutivo, a primeira posição no ranking na categoria grandes empresas. Em segundo lugar, ficou a ATP, seguida da SMA Solar Technology, em terceiro. Já entre as pequenas e médias empresas, a vencedora foi a consultoria &Samhoud, seguida da Middelfart Sparekasse e da Reaktor.

Este ano, mais de 1300 empresas, de 18 países europeus, participaram no estudo do Great Place to Work Institute. À semelhança dos anos anteriores, a lista apresenta-se dividida em dois grandes grupos, de acordo com o número de colaboradores: 50 pequenas e médias empresas (até 500 colaboradores) e 50 grandes empresas (mais de 500 colaboradores).

As 1300 empresas participantes nesta análise representam 1.619,076 colaboradores. As 100 empresas da Lista final são oriundas de diversos setores de actividade, sendo o mais representado o de Consultoria (30%) seguido do setor de Tecnologias de Informação (11%). Desta lista fazem ainda parte empresas de setores tão diversos com Biotecnologia e Farmacêutica (8%) ou Setor Público e Serviços Sociais (3%).

Menos contratações mais produtividade

As 100 Melhores Empresas para Trabalhar na Europa foram também afectadas pela crise económica a nível global, pelo que a taxa de contratações baixou, situando-se, este ano nos 2,2%. Apesar desta crise, estas empresas continuam em crescimento (15,4%, em média), o que, tendo em conta o crescimento do número de colaboradores, se traduz num aumento de produtividade de 12,9%.

Em média, as “100 Melhores” proporcionam aos seus colaboradores 66 horas de formação, por ano. A taxa de rotatividade dos funcionários (admissões e demissões) é este ano a mais baixa de sempre, na ordem dos 4,7%, e a taxa de absentismo é, em média, de 2,5% por ano.

Há 8 anos que este estudo, com foco na gestão de pessoas, publica a Lista das Melhores Empresas para Trabalhar na Europa. O Great Place to Work Institute existe há mais de 20 anos e está presente em 41 países.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close