Ciência

As cores da Música [Crónica]

NULL
Versão para impressão
Ilustração © Inês Massano

[António Piedade é Comunicador de Ciência e Investigador do Centro de Física Computacional da Universidade de Coimbra e publica quinzenalmente uma crónica no Boas Noticias]

Image and video hosting by TinyPicO coração de Leonor batia numa cadência agitada. Parecia que o coração queria saltar-lhe do peito e ir dançar com as folhas que chovem das árvores no Outono. Mas não era só por causa disso que o sobressalto se adicionava ao tambor cardíaco. Leonor estava ansiosa. Procurava sons da Natureza ao longo do caminho desde a escola até à sua casa. Mas o barulho da cidade era tão intenso, que não conseguia descortinar sons para além dos carros, aviões, comboios, equipamentos de climatização, entre tantos outros elementos da orquestra citadina.

A professora tinha informado a turma da Leonor de que no dia 1 de Outubro se comemorava o dia Mundial da Música e pedido que, a propósito dele, todos fizessem uma composição sobre os sons da Natureza.

A professora explicou que o Dia Mundial da Música fora instituído em 1975, por iniciativa de Lord Yehudi Menuhin e sob a égide da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), para ser celebrado no primeiro dia de Outubro e que seria dedicado a promover a arte da música por todos os povos, numa continuação dos ideais da paz e amizade entre todas as pessoas. Assim como comemoramos o nosso aniversário todos os anos, para nos lembramos do dia do nosso nascimento e nos rodearmos dos nossos amigos e familiares.

Como este ano de 2010 é dedicado à Biodiversidade, a professora da Leonor achou oportuno pedir que ela e os seus colegas encontrassem sons diferentes na Natureza e os descrevessem numa composição.

O seu colega João, que gostava muito de fazer compras, disse-lhe que, para ele, a natureza eram os legumes embalados e as frutas do supermercado, pelo que, a caminho de casa, iria passar por lá à procura dos sons da natureza.

Leonor, pelo contrário, achava que a professora se referia à natureza onde os passarinhos fazem os ninhos, onde as rãs coaxam em coro na fuga dos riachos, onde os cavalos relincham num andamento percutido sobre a terra. E era sobre esses sons que ela queria escrever. Mas como, se os não ouvia entre o andamento congestionado da cidade?

Decidiu sentar-se num banco de uma alameda que pautava de verde o caminho até sua casa, fechar os olhos do barulho e “procurar” com os ouvidos. Não esperou muito até que um belo dueto de trinados despertasse os seus ouvidos. E, curioso, apesar de ter os olhos fechados, o chilrear dos passarinhos foi acompanhado por uma sensação colorida. Foi como se o cérebro de Leonor associasse cores aos chilreios dos dois passarinhos a esvoaçar numa partitura ali perto.

De facto, já alguém lhe tinha dito que podíamos ver com o cérebro. E, sem abrir os olhos, imaginou a cor, a forma e o movimento dos passarinhos a partir dos sons com que eles a embrulhavam.

Concentrou-se nestas sensações e sentiu que as melodias a inundavam com uma paleta de cores que variava consoante a tonalidade do trinado era mais aguda ou mais grave.

Sem se aperceber disso, Leonor decidiu pintar o dia Mundial da Música em vez de o escrever. Iria partilhar a música da Natureza a cores!

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close