Cultura

Arte: Curadora portuguesa premiada pelo MoMA

A curadora portuguesa Ana Martins foi premiada pelo prestigiado Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque, nos EUA, pelo estudo científico de obras-primas fotográficas.
Versão para impressão
A curadora portuguesa Ana Martins foi premiada pelo prestigiado Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque, nos EUA, pelo estudo científico de obras-primas fotográficas, entre as quais obras de Henri Cartier-Bresson, que desvendaram a “história” escondida por detrás das impressões.
 
A notícia apanhou de surpresa a ex-professora da Faculdade de Ciências do Porto, que se encontra ligada ao MoMA há quase cinco anos e que foi informada, durante uma reunião no Museu, de que seria, este ano, a personalidade distinguida pela administração devido ao seu trabalho, a par de um outro funcionário da área do Design.
 
De acordo com Ana Martins, a coleção do MoMA integra, com frequência, várias impressões de um mesmo negativo e, portanto, com uma “história” e papéis fotográficos diferentes. 
 
O trabalho da curadora, que usou uma metodologia agora aperfeiçoada, permite “em larga percentagem dos casos deduzir a data aproximada” da reprodução, a par de outras caraterísticas, abrindo caminho ao estudo comparativo “de vários artistas ou dentro do trabalho de um artista”, explica à agência Lusa. 
 
O método em questão tem vindo a ser apresentado em conferências e revistas científicas e foi aplicada para uma exposição recente do Museu, que englobou 200 fotografias provenientes da Fundação Cartier-Bresson. 
 
Ana Martins vai, brevemente, dedicar-se a outro projeto, que passa por estudar um acervo de fotos maioritariamente de fotógrafos russos e alemães dos anos 1920 a 1940, que inclui trabalhos de outro célebre fotógrafo, Man Ray.
 
“O que se pretende não é tanto datar, mas comparar as obras de vários artistas que trabalharam dentro de um determinado contexto comum, dentro da mesma escola, grupo ou corrente”, esclarece a curadora. 
 
As fotos a analisar foram doadas pelo colecionador Thomas Walther e o projeto conta com o apoio da Fundação Mellon. O objetivo final é construir uma base de dados sobre a valiosa coleção que se debruce também sobre as técnicas e materiais utilizados.
 
Uma paixão antiga
 
A ciência da conservação artística fazia parte dos interesses de Ana Martins há muito tempo, pelo que a abertura de uma vaga no MoMA se tornou uma “oportunidade única”, a que concorreu “sem nenhuma hesitação”, confessou à Lusa.
 
Além de projetos de mais longo-prazo, como aquele que foi recentemente premiado, ou outros que envolvem o estudo dos materiais usados por determinado artista, a portuguesa tem também a seu cargo tarefas mais pontuais relacionadas com a conservação de obras.
 
O interesse pela “fronteira entre a química e a arte” nasceu de visitas que fez a museus em Paris durante o doutoramento, na década de 90. Atualmente, Ana Martins afirma estar aberta a colaborações com Portugal, onde se faz “investigação muito boa” na área, mas, para trabalhar a tempo inteiro, não se vê em nenhum outro lugar além do MoMA. 
 
“Este museu, este lugar, esta cidade… a instituição em si é absolutamente incomparável com qualquer outra instituição no mundo inteiro”, conclui.
 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close