Sociedade

APAV alerta para violência contra idosos

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) lança, esta quinta feira, uma campanha nacional de sensibilização e de esclarecimento sobre o fenómeno da violência contra idosos. A ideia é formar, ensinar e consciencializar, para que as pessoas saib
Versão para impressão
A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) lança, esta quinta feira, uma campanha nacional de sensibilização e de esclarecimento sobre o fenómeno da violência contra idosos. A ideia é formar, ensinar e consciencializar, para que as pessoas saibam como identificar algum caso e como proceder.

Além dos cartazes e dos anúncios televisivos e na rádio, realizar-se-ão várias ações de sensibilização dirigidas às crianças nos estabelecimentos de ensino, assim como uma campanha para o público em geral. A campanha consiste ainda na distribuição de folhetos informativos, principalmente entre profissionais, porque os idosos recorrem muito a unidades de saúde.

“Se estes profissionais estiverem informados é mais fácil encaminhar e diagnosticar se existe violência doméstica. É um projeto com uma forte vertente de formação pedagógica e sensibilização”, explicou Maria de Oliveira, responsável pela campanha, em declarações à agência Lusa.

Para que a população em geral esteja atenta ao fenómeno e perceba que há outros tipos de violência contra idosos que não envolvem a agressão física e verbal, será lançado “um manual de atendimento e compreensão deste tipo de situações: indicadores de violência sexual, física, psicológica e financeira. A violência pode ser praticada na rua (roubo, por exemplo), pode ser em casa (violência doméstica) ou contra uma pessoa que mora sozinha”, explicou Maria de Oliveira.

A responsável adiantou mesmo que a APAV recebeu relatos de casos de prestadores de cuidados que ficam com os bens do idoso de quem cuidam. O internamento compulsivo num lar e a dependência emocional são outras formas de violência apontadas por Maria de Oliveira.

“Também há muitos casos de dependência emocional. São situações complicadas para a pessoa admitir que está a ser vítima de crime e violência, sobretudo a psicológica (os insultos, as ofensas, a depreciação permanente), que é muitas vezes pior do que a física”.

As vítimas são maioritariamente idosos entre 65 e 75 anos, alvo de maus-tratos físicos e psíquicos, praticados pelo cônjuge (1622 processos em 2009) e pelos filhos (1466 processos no mesmo ano).

Entre 2000 e 2009 verificou-se um aumento de 120% do número de casos.

O que potencia a violência é normalmente o consumo de substâncias aditivas ou um historial de violência anterior, mas também há violência que parte das pessoas que tomam conta dos idosos e não têm capacidade para tal.

Saiba mais sobre o fenómeno da violência contra idosos aqui.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close