Ambiente

Antártica: Buraco na camada do ozono diminui

Com base nos dados recolhidos via satélite e nas medições feitas a partir do solo, investigadores neozelandeses afirmaram, esta sexta feira, que o buraco na camada de ozono sobre a Antártica atingiu os níveis mais baixos desde 2005.
Versão para impressão
Com base nos dados recolhidos via satélite e nas medições feitas a partir do solo, investigadores neozelandeses afirmaram, esta sexta feira, que o buraco na camada de ozono sobre a Antártica atingiu os níveis mais baixos desde 2005.

Uma nota enviada pelo Instituto Nacional da Nova Zelândia para a Investigação Atmosférica e da Água aos meios de comunicação locais refere que o buraco do ozono atingiu uma área máxima de 22 milhões de quilómetros quadrados este ano, face aos 24 milhões registados em 2009.

“Não podemos afirmar com toda a certeza que o buraco do ozono está a diminuir com base nas observações que fazemos por ano”, declarou o cientista Stephen Wood na nota de imprensa. “Contudo, temos verificado, em anos sucessivos, cada vez menos falhas graves na camada de ozono, o que pode indicar o início da recuperação”, acrescentou.

O buraco na camada de ozono sobre a Antártica forma-se anualmente em agosto e setembro e normalmente desaparece em novembro ou dezembro. A maior área alguma vez registada foi 29 milhões de quilómetros quadrados, no ano de 2000.

[Notícia sugerida pela utilizadora Marta Vieira]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close