Ambiente

Amazónia: Desflorestação atinge novo mínimo

NULL
Versão para impressão
A desflorestação da Amazónia brasileira registou, no último ano, o seu nível mais baixo desde 1988, quando começou a monitorização regular com imagens de satélite. Em relação ao ano anterior, o abate de árvores registou uma redução de 11,7 por cento.

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) – organismo que monitoriza a desflorestação – revelam que foram abatidos 6238 quilómetros quadrados de floresta entre Agosto de 2010 e Julho de 2011, o que representa uma queda de 11,7% em relação ao ano anterior.

“É uma taxa histórica e representativa, sinalizando que continuamos com a
nossa determinação de reduzir o desmatamento na Amazónia”, disse a ministra brasileira do Ambiente, Izabella Teixeira, na apresentação dos números ontem, em Brasília, citada pelo jornal O Estado de São Paulo.

De acordo com o INPE, as informações foram recolhidas pelo sistema Prodes, que recorre cerca de 100 imagens para cobrir 90% de toda a Amazónia. O Prodes estima a taxa anual e a extensão do desmatamento bruto e divulga na rede o banco de dados digital.

Em 2004 foi desmatada área igual ao Alentejo

A destruição da floresta amazónica tem vindo a cair desde 2004, quando  atingiu perto de 28.000 quilómetros quadrados – quase a área de todo o Alentejo (31.000 quilómetros quadrados).

Já em 2009/2010, a área desflorestada tinha-se ficado nos 7000 km2. Nos 12 meses anteriores, tinha sido de 7500 km2. Para o último ano, temia-se um aumento – em função de dados preliminares, obtidos com imagens de satélite de menor resolução – mas, com dados mais detalhados, o retrato inverteu-se.

O anúncio da nova queda na desflorestação coincide com a aprovação, no
Senado brasileiro, do Código Florestal, uma legislação que os ambientalistas receiam incentivar o abate de mais árvores. Depois de dois anos de discussões, o texto estava agendado para ser votado esta quarta-feira.

Numa versão preliminar, aprovada pelo Congresso em Maio, a proposta de Código Florestal previa reduzir a área florestal que deveria ser mantida
intocada. A nova versão do documento aproxima-se mais das posições defendidas pelos ambientalistas mas continua a ser criticada.

Clique AQUI para aceder ao site do INPE.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close