Sociedade

Alunos levam Felicidade Interna Bruta ao parlamento

Graças a uma petição de dois alunos universitários portugueses, em breve o conceito de Felicidade Interna Bruta (FIB) pode chegar a Portugal.
Versão para impressão
Diz-se que dinheiro não traz felicidade. No entanto, as grandes instituições financeiras e os rankings económicos continuam a ditar o destino do mundo. Numa tentativa de equilibrar esta predominância, a medição da Felicidade Interna Bruta (FIB) tem sido apontada como solução. Graças a uma petição de dois alunos portugueses, em breve este conceito pode chegar a Portugal.
 
David Erlich e Susana Jorge estudam Ciência Política na Universidade Técnica de Lisboa. No âmbito de uma das disciplinas do curso, decidiram avançar com um projeto para ajudar as recolher ideias dos cidadãos e fazê-las chegar a quem, decide: aos deputados do parlamento. No âmbito do projeto “A tua ideia Conta” fizeram questionários, montaram stands, distribuíram folhetos. 
 
O projeto culminou numa petição onde os dois alunos pedem que o Banco de Portugal inicie estudos e debates tendo em vista a medição da Felicidade Interna Bruta em Portugal. O documento não teve subscritores suficientes para ser debatido no plenário mas chamou a atenção de um deputado do PSD que ouviu o Banco de Portugal e o Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o assunto.
 
Embora o Banco de Portugal tenha transmitido que esta é uma proposta “interessante e muito importante, mas não é uma missão prioritária”. O INE diz que é possível começar a trabalhar neste sentido em Portugal, e já “está envolvido em vários projetos” que vão nessa direção. 
 
Para o deputado Luís Leite Ramos, “faz todo o sentido” que o INE continue este esforço, envolvendo mais entidades, como as universidades, promovendo uma discussão mais ampla na sociedade portuguesa e o Instituto está disponível para fazer esse trabalho.
 
“É fundamental o envolvimento das universidades, em Portugal há muito pouca gente dos meios académicos a trabalhar esta questão”, acrescentou. O parecer será apreciado e votado esta quarta-feira.
 
FIB: Medidas reais ou boas intenções?
 
Foi há mais de 30 anos, em 1972, que o Butão, um pequeno reino nos Himalaias, desenvolveu e pôs em prática um método diferente de avaliar a qualidade de vida dos seus cidadãos: a Felicidade Interna Bruta (FIB).
 
Nos últimos anos, tem havido interesse de várias entidades internacionais, como a Organização para o Desenvolvimento e Cooperação Económica (OCDE), o Conselho da Europa, ou a ONU, em seguir conceitos semelhantes, mas a maior parte das vezes estes interesses não passam de boas intenções.
 
Este ano, a ONU apresentou pela primeira vez um relatório onde faz uma medição da felicidade dos países a nível mundial, tendo por base critérios como a liberdade política, a redes sociais fortes, a ausência de corrupção, a saúde física e mental, a segurança no trabalho e um ambiente familiar estável.

Clique AQUI para aceder ao texto da petição apresentada pelos alunos.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close