Sociedade

Alunos da UBI transformam trapos em vestidos solidários

Pegando em roupa velha e restos de tecidos um grupo de alunos da Universidade da Beira Interior criou 100 peças de roupa (vestidos, calções e t-shirts) que vão seguir para orfanatos africanos, apoiados pela ONG Little Dresses for Africa.
Versão para impressão
Pegando em roupa velha e restos de tecidos um grupo de alunos da Universidade da Beira Interior criou 100 peças de roupa (vestidos, calções e t-shirts) que vão seguir para orfanatos africanos, apoiados pela ONG Little Dresses for Africa. 
A turma do 2.º ano de Design de Moda foi desafiada pela professora Rafaela Norogrando a participar neste projeto para “que entrassem em contacto com os processos de design (pesquisa, criação, desenvolvimento)” ao mesmo tempo que colaboravam com uma iniciativa de “responsabilidade social”, explica o site oficinal do Xi-Coração.  
 
Os 48 alunos da disciplina de Design de Vestuário I foram divididos em oito grupos que desenvolvem temáticas específicas embora seguindo o mesmo briefing estabelecido pela ONG (que determina tamanhos e formatos das peças, entre outras características). 
 
De todo processo “cada grupo produziu um painel semântico, uma peça conceptual, um dossier e uma pequena coleção", explicam os alunos no site do projeto batizado Xi-Coração. Em conjunto, estas coleções constituem cerca de 100 roupas que, em breve, serão doadas à ONG.
 
Todo o material utilizado para a confeção das peças foi reciclado a partir de roupas ou outros têxteis em desuso como lixo limpo de empresas – sobra de material têxtil gerado, principalmente, do plano de corte de modelagens.
 
As peças produzidas a partir destes "trapos" vão estar em exposição no Museu Nacional do Traje, Lisboa, até 15 de setembro, altura em que serão enviadas para Africa.

A ONG Little Dress for Africa encontra-se representada em vários países onde conta com milhares de voluntários que costuram vestidos, calções e t-shirts para estas crianças.

 
Em PORTUGAL, a iniciativa está centrada em Lisa Maria Alpande Santos que, entre muitas ações, administra a página social da ONG, determina 
atividades voluntárias, faz a recolha dos donativos e os encaminha para missões que seguem para diferentes partes da África.
 

As peças produzidas a partir destes "trapos" vão estar em exposição no Museu Nacional do Traje, Lisboa, até 15 de setembro, altura em que serão enviadas para Africa. 

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close