Saúde

Algas têm potencial para deter cancro do pâncreas

Especialistas alemães descobriram que algas nativas do Mar Báltico são capazes de inibir o desenvolvimento das células cancerígenas.
Versão para impressão
O potencial anticancerígeno das algas é conhecido há algum tempo, mas os cientistas europeus acreditavam que estaria limitado às espécies exóticas, encontradas a grandes profundidades. Porém, especialistas alemães descobriram que algas nativas do Mar Báltico poderão dar um contributo importante no combate ao cancro do pâncreas, inibindo o desenvolvimento celular.
 
Os biólogos da cidade alemã de Kiel recolheram alguns exemplares de algas castanhas nativas que se encontravam soltas – de forma a não afetar o equilíbrio marinho – e, em laboratório, congelaram-nas e trituraram-nas num liquidificador. A fase seguinte foi a extração das substâncias benéficas existentes nas plantas marinhas. “Extraímos as substâncias relevantes através da adição de um solvente”, explica a biotecnóloga Marion Zenthoefer, citada pela Deutsche Welle.
 
A partir deste processo, a obtenção de polifenóis, carotenoides, polissacarídeos, sulfatos, ácidos gordos ómega-3 e antocianinas, os principais compostos presentes nas algas, permitiu a criação de uma mistura especial que, quando borrifada sobre uma cultura de células de cancro pancreático, se mostrou capaz de deter o seu crescimento.
 
“Se as células cancerígenas crescessem normalmente iriam disseminar-se por toda a superfície onde estava a cultura. Porém, se a camada celular tem buracos [como se tem verificado], isso é um sinal do efeito dos extratos de algas”, esclarece Zenthoefer. A próxima fase será agora tentar compreender quais são exatamente as substâncias que interrompem o crescimento das células.
 
Apesar de haver um longo caminho pela frente, a equipa mostra-se satisfeita com os resultados preliminares positivos e considera que o mais surpreendente é o tipo de algas utilizado. “Até agora concentrámo-nos em lugares exóticos, próximos de correntes de água quente e a grande profundidade. E, no entanto, as plantas nativas do Mar Báltico têm exatamente a mesma potência”, salienta o biólogo marinho Levent Piker.
 
O projeto “Algas contra o Cancro” é patrocinado pelo ministério alemão de Educação e Investigação. Além de parceiros privados, conta também com duas equipas de investigadores da Universidade de Kiel.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close