Negócios e Empreendorismo

Algarve vai produzir caviar de esturjão

Um biólogo, um perito em aquacultura e um empresário 'gourmet' vão começar a produzir ovas de esturjão já a partir do final deste ano, no Algarve.
Versão para impressão
A partir de 2015 vai estar disponível no mercado um caviar com selo português. O projeto inédito da Universidade do Algarve pretende criar uma unidade de cultivo de esturjão ainda este ano e tornar Portugal num produtor desta iguaria apreciada por todo o mundo.
 
Até ao final de 2013 está prevista a instalação de uma unidade de produção de esturjão, peixe cujas ovas dão origem ao caviar. Os responsáveis pelo projeto estimam que ao fim de quatro anos o produto possa começar a ser distribuído pelos comerciantes portugueses.
 
A ideia surgiu na mente de Valery Afilov, um ucraniano perito em aquacultura que vive em Portugal há uma década, e foi desenvolvida em conjunto com um biólogo e de um empresário gourmet portugueses.
 
O projeto foi distinguido no concurso Ideias em Caixa, evento organizado pelo Centro Regional para a Inovação do Algarve e pela Caixa Geral de Depósitos que pretende promover o empreendedorismo e a formação de novas empresas e negócios em Portugal.
 
O biólogo Paulo Pedro explicou à agência Lusa que “no seu ambiente natural, com temperaturas negativas, os esturjões podem demorar 20 anos até atingir a sua maturação sexual mas no Algarve, devido à temperatura amena, o seu crescimento pode ser muito mais rápido”.
 
Um quilo de caviar esturjão beluga, um das quatro espécies que demora mais tempo a produzir ovas, pode custar entre 1.000 e 5.000 euros. Os empresários esperam estar a produzir em 2016 entre 600 a 700 quilos de caviar por ano.
 
“O grande objetivo é que o produto seja consumido em Portugal mas se assim não o for não estamos muito preocupados porque neste momento existe noutros países uma lista de espera enorme”, explicou o biólogo Paulo Pedro.
 
Numa segunda fase do projeto, os três empreendedores pretende também produzir esturjão atlântico, peixe que se extinguiu em Portugal na década de 1980, de forma a poder repovoar estuários como os do rios Guadiana e do Arade, no Algarve.
 
[Notícia sugerida por Lídia Dinis]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close