Saúde

Algarve: Transplantes de cabelo atraem estrangeiros

As cirurgias de transplante de cabelo poderão transformar-se num novo cartão de visita para o turismo de saúde no Algarve. A crença é de um especialista português que tem operado vários estrangeiros na região.
Versão para impressão
As cirurgias de transplante de cabelo poderão transformar-se num novo cartão de visita para o turismo de saúde no Algarve. A crença é de um especialista português que tem operado vários estrangeiros na região e que defende que o procedimento pode vir a ajudar a combater a crise no setor.
 
Em declarações à Lusa, o médico Pedro Cruz Dinis explica que “em Portugal, este é um processo relativamente novo, tem alguns anos”, mas que a aposta no cliente estrangeiro está a crescer e que o Algarve tem “excelentes condições” para apostar na área do turismo de saúde, sobretudo devido ao clima, à gastronomia e à hospitalidade. 
 
O português, que se especializou em microcirurgia de transplante capilar na Tailândia e exerce funções numa clínica em Faro, adianta que estão a ser estabelecidos protocolos com os hotéis da região e que a sua equipa médica está a tentar tirar proveito do facto de as cirurgias em Portugal custarem, em média, menos do dobro do que no Reino Unido, o principal mercado além-fronteiras.
 
Segundo Pedro Cruz Dinis, mesmo com os gastos na viagem e estadia no Algarve, o paciente ficaria a ganhar relativamente aos preços naquele país, e as qualidades turísticas da região tornam-na capaz de competir com os países que oferecem este tipo de cirurgias a preços semelhantes, como a Grécia, a Turquia ou a Hungria. 
 
O cirurgião, que considera que este é um nicho de mercado ainda pouco explorado no Algarve, iniciou recentemente uma campanha de promoção no exterior, sobretudo na imprensa, através da qual lhe têm chegado muitos pedidos de informação sobre a cirurgia, que se realiza, neste momento, em Faro, Lisboa e Leiria.
 
Técnica do transplante é idêntica “à jardinagem”
 
De acordo com o especialista, uma cirurgia de transplante de unidades foliculares (raízes do cabelo) num paciente com calvície marcada pode chegar aos 3.500 euros. A técnica consiste em retirar, uma a uma, raízes da região dadora da cabeça – a parte posterior -, que depois serão transplantadas para a região com falta de cabelo.
 
Para Pedro Cruz Dinis, este tipo de transplante é semelhante à jardinagem: após cerca de três meses, as raízes transplantadas dão início aos primeiros cabelos, que ali crescerão de forma natural, durante toda a vida, como se fosse o seu local de origem. 
 
Embora as raízes retiradas da parte de trás da cabeça não sejam substituídas, o facto de existirem, por centímetro, cerca de 100 raízes e apenas 10 serem removidas faz com que a diminuição da densidade capilar seja pouco visível.
 
Outra alternativa, menos dispendiosa, adianta o cirurgião, consiste em retirar uma tira de cabelo da região dadora da cabeça, que resultará numa cicatriz fácil de disfarçar.
 
Até ao momento, Pedro Cruz Dinis, que se dedica à microcirurgia de transplante capilar há cerca de quatro anos, já operou, em Portugal, pacientes oriundos do Reino Unido, Irlanda e Suíça.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close