Negócios e Empreendorismo

Algarve quer comercializar planta das salinas

Investigadores do Instituto Afonso III, em Loulé, estão a estudar as potencialidades comerciais da salicórnia - uma planta anti-hipertensão, substituta do sal, que cresce nas salinas.
Versão para impressão
Investigadores do Instituto Afonso III, em Loulé, estão a estudar as potencialidades comerciais da salicórnia – uma planta anti-hipertensão, substituta do sal que cresce nas salinas e que também tem propriedades farmacêuticas e cosméticas.
 
Em alguns países da Europa, esta planta já é utilizada por “chefs” em restaurantes 'gourmet'. A grande caraterística da salicórnia é o facto de ser simultaneamente salgada e “altamente tolerante ao sal” podendo, assim, substituir o sal e ser utilizada nos mais diversos pratos como produto fresco ou em conserva (picles).
 
Também conhecida por sal verde ou espargos do mar, a salicórnia cresce normalmente nas salinas, que se focam na produção de sal não aproveitando este recurso natural com grandes potencialidades comerciais.

Por este motivo, Erika Santos, bióloga e coordenadora do projeto “Cultivo Sustentável de Halófitas na Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Sto. António”, explicou à Lusa que pretende “desenvolver um sistema de cultivo sustentável de salicórnia e outras plantas do género e conseguir rentabilizar e conservar os recursos existentes nas salinas”.

 
Aplicações farmacêuticas e cosméticas
 
Em alguns países, nomeadamente França, Inglaterra e Israel, algumas destas ervas são utilizadas em rações para animais. Para além disso, estas plantas também podem ter “aplicações farmacêuticas e cosméticas, ou seja, podem servir vários segmentos económicos”, acrescentou a investigadora.
 
Estas ervas acabam por ser esquecidas, porque “em Portugal este recurso não está explorado nem é muito conhecido e a informação sobre estas ervas é escassa”, referiu Erika Santos.
 
Neste momento, o grupo de investigadores do Instituto Afonso III, em Loulé, em parceria com o Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade, está a estudar as ervas encontradas e a analisar aqueles que poderão ser os melhores processos de propagação e viabilidade económica do seu cultivo.
 
Dia 18 de Maio é a data do seminário em Castro Marim, no qual o projeto será apresentado. Além da divulgação de resultados do estudo, pretende-se explicar os benefícios do produto, com vista a promover a economia regional.
 
O projeto insere-se na estratégia de eficiência coletiva PROVERE Âncoras do Guadiana, uma iniciativa do Quadro de Referência Estratégico Nacional, e é financiado pelo programa PO Algarve 21 (Programa Operacional).

Clique AQUI para aceder ao estudo.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close