Portugal Excelência

Alfaiate Ayres: Do Porto para o resto do mundo

Há um jovem alfaiate português que está a dar que falar um pouco por todo o mundo. Os fatos feitos à mão por Ayres Gonçalo, 31 anos, chegam a Londres, Nova Iorque, Bruxelas. A última encomenda veio de membros do governo brasileiro.
Versão para impressão
Há um jovem alfaiate português que está a dar que falar um pouco por todo o mundo. Os fatos feitos à mão por Ayres Gonçalo, 31 anos, chegam a Londres, Nova Iorque, Bruxelas. A última encomenda veio de membros do governo brasileiro. A qualidade paga-se, é certo, mas compensa. Ao contrário das roupas pronto-a-vestir, estes fatos chegam a passar de geração em geração.

por Patrícia Maia
 
O fascínio de Gonçalo por tecidos, agulhas e tesouras veio do avô, Ayres Carneiro da Silva, famoso alfaiate do Porto que durante mais de 70 anos produziu fatos e outras peças. “Dizem que até os ministros se deslocavam-se de propósito ao Porto para se vestirem”, conta Gonçalo ao Boas Notícias.
 
Hoje em dia, com 82 anos, o Ayres sénior continua a ser uma referência para o neto. “O meu avô continua a ser uma peça chave, visita o atelier com regularidade e, quando temos dúvidas, sabemos que só o velho Ayres é que pode ajudar”, confessa o jovem alfaiate, sublinhando que o avô tem também “muito orgulho” no trabalho de Ayres Gonçalo e do seu sócio João Paulo Rodrigues.

 

Depois de ter passado a sua adolescência como aprendiz, Gonçalo quis deixar a “asa” da família e partir à descoberta. A primeira paragem foi em Espanha, em 2004, onde teve formação na melhor alfaiataria de Madrid, dirigida por Pedro Muñoz. Depois seguiu para Londres, a “Meca” dos alfaiates.
 
Sem cunhas nem contactos privilegiados, Gonçalo bateu à porta das casas mais famosas da capital britânica “com uma tesoura e uma agulha na mão”. Em pouco tempo começou a trabalhar na conceituada alfaiataria Gieves & Hawkes, da avenida Savile Row, onde ocorreu um dos episódios mais mediáticos da sua carreira: a oportunidade de fazer um fato para o príncipe Carlos.
 
“O fato para o Príncipe Carlos foi um marco importante sem dúvida mas não penso muito nisso. Tenho outros objetivos neste momento! Por exemplo gostava de fazer um fato para o Dr. Ricardo Salgado. Não o conheço pessoalmente mas sei que é uma pessoa que aprecia alfaiataria. Dou valor e tenho prazer em fazer fatos para quem gosta de vestir bem”, sublinha.
 
Depois de Londres, Gonçalo ainda rumou a Nova Iorque para trabalhar com o famoso alfaiate Michael Andrews. Foi graças a esta experiência, nos EUA, que Ayres acabou do outro lado do mundo, a dar formação a chineses.

Aliás, a formação é outra das vertentes em que Gonçalo e o seu sócio João Paulo Rodrigues apostam, abrindo as portas do Laboratorio di Sartoria, o atelier que a dupla instalou no Porto, a quem quiser aprender esta arte. “Portugal teve, no passado, uma grande tradição de alfaiataria que se perdeu. Eu e o Paulo gostaríamos que esse cenário mudasse e a nossa porta está aberta a quem quiser aprender”, salienta.
 
Image and video hosting by TinyPic

[Foto: Ayres Gonçalo e João Paulo]

Regresso a Portugal
 
Embora a aprendizagem com o avô tenha definido a paixão de Gonçalo, estas experiências “lá fora” foram fundamentais para tornar Ayres no alfaiate que é hoje. “Com o meu avô aprendi a provar, cortar e vender mas depois aprendi a coser em Madrid e fiz o meu aperfeiçoamento em Savile Row”.
 
Gonçalo teve oportunidade de ficar nos três países onde trabalhou como alfaiate, mas decidiu voltar para Portugal e apostar no seu próprio negócio, em conjunto com o sócio. “Voltei de Nova Iorque para começar a trabalhar para mim próprio e dar continuidade ao nome do meu avô. Só assim faz sentido a alfaiataria na minha vida”, garante.
 
A aposta em Portugal parece ter sido acertada. O Laboratorio di Sartoria recebe encomendas de várias partes do mundo – Londres, Nova Iorque, Bruxelas e São Paulo – sendo que normalmente os dois alfaiates se deslocam até junto dos clientes para tirar medidas e saber todos os detalhes da encomenda. Ainda este mês viajaram até são Paulo a pedido de alguns clientes e regressaram “com encomendas de membros do governo na bagagem”. Em 2013, a dupla espera mesmo abrir uma sede no Brasil.
 
Um fato Ayres Bespoke é cortado, provado e cosido manualmente e corresponde a cerca de 50 horas de trabalho. O preço, claro, é diferente do que se encontra nas lojas de pronto a vestir: o custo de um fato Bespoke parte dos 2.000 euros. E se este número pode assustar, feitas as contas, é um valor que compensa já que estas peças podem durar até 30 anos, se forem bem tratadas.
 
“Por regra e tradição, estas peças passam de geração em geração. Um Bespoke que um cliente requisite hoje, dou a garantia que o seu filho irá vestir esse mesmo Bespoke dentro de 20 anos!”, explica Gonçalo Ayres ao Boas Notícias, sublinhando, no entanto, que a duração do fato depende do “tratamento que o cliente lhe dá”. “Os Bespoke são como os carros, às vezes têm que ir á revisão para reforçar botões, coser os forros”, explica.
 
80 por cento de clientes estrangeiros

Para quem este investimento está fora de cenário, o Laboratorio di Sartoria oferece outros serviços com o mesmo selo de qualidade mas mais em conta: fatos “made to measurement” (feitos à medida mas cosidos à máquina), alterações, camisaria e até consultadoria. Nesta gama de serviço, será possível por exemplo, comprar uma camisa feita à medida por 120 euros.
 
Image and video hosting by TinyPicE desenganem-se aqueles que pensam que a alfaiataria é uma arte séria e previsível: “A minha especialidade são os clássicos, mas também gosto de excêntricos até porque um excêntrico com requinte não é ridículo”. “Faço por exemplo camisas estampadas com morangos que se forem usadas com uns sapatos e umas calças com patina, se tornam muito engraçadas”, explica.

 
Apesar do valor das peças, o atelier está a produzir uma média de oito fatos da gama Bespoke [a linha por medida onde todos os passos são feitos de forma manual] por mês. Destas  encomendas, 80 por cento vêm do estrangeiro e 20 por cento são nacionais: “O nosso objetivo é trabalhar para o mundo a partir do Porto”.
[Foto: Avô Ayres Carneiro da Silva]

Um segredo para este sucesso? “Gostar muito do que se faz pode ser um bom trunfo mas temos que lhe juntar muita dedicação… Aí sim, penso que o sucesso vem a caminho”, defende Ayres Gonçalo. Um conselho que está espelhado no percurso deste jovem alfaiate onde a paixão e o empenho se refletem em cada peça e em cada degrau do seu sucesso. 
 
 Clique AQUI para saber mais sobre o trabalho de Ayres Gonçalo.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close